Uma epidemia, uma endemia e falta de gestão crônica

BSB Capital02/05/2022 às 9:00, Atualizado em 04/05/2022 às 11:34

A maior crueldade que aflige os usuários do sistema público de saúde do DF são as mazelas da falta de planejamento e de comando na Secretaria de Estado de Saúde

Foto: Divulgação

Gutemberg Fialho

Este ano, o número de casos de dengue no Distrito Federal superou em mais de cinco vezes os registros do mesmo período de 2021, segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde referentes a março. O aumento dos casos no DF segue uma tendência regional de elevação em toda a Região Centro-Oeste.

Isto, no entanto, não pode ser encarado como uma justificativa para o cenário atual. Na verdade, deveria ser determinante de maior organização e efetividade nas ações de enfrentamento ao surto de dengue. Diferente da pandemia da covid-19, a endemia da dengue é anual. Os quatro sorotipos do vírus que podem estar em circulação já são conhecidos e as ações necessárias ao enfrentamento já foram reunidas em protocolos estabelecidos.

Mas, o que se vê é um tremendo descompasso e atropelo na definição de ações. A começar pela falta de reagentes e testes rápidos para diagnóstico exatamente no período crítico de disseminação da doença.

A instalação das tendas para atendimento específico aos casos suspeitos de dengue demonstrou outro problema crônico e injustificável: a falta de pessoal. O SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) chegou a disponibilizar tendas infláveis para ampliação dos postos de atendimento a casos suspeitos de dengue às superintendências regionais de saúde.

Houve casos , porém, em que a oferta sequer pôde ser aceita, simplesmente porque não havia disponibilidade de profissionais de saúde para prestar esse atendimento sem prejudicar o funcionamento das unidades de saúde, que já funcionam com déficit de médicos, enfermeiros, técnicos e auxiliares e demais profissionais.

Diante desse quadro de falta de reagentes para exames, de testes rápidos e de profissionais de saúde, fica claro que existe subnotificação dos casos de dengue. E isso é extremamente perturbador, porque, mesmo assim, já se estima uma ocorrência cinco vezes maior do que no mesmo período do ano passado.

As falhas no planejamento, os atrasos nas tomadas de decisões e as medidas adotadas de improviso são a regra da gestão da saúde no atual governo. E isso acaba implicando em maior gasto de dinheiro público, maior sacrifício dos profissionais de saúde, que mal saíram da guerra contra a covid e já se veem sobrecarregados com a desorganização governamental no combate à dengue.

Sobretudo, a população do DF sofre, adquire sequelas e vai a óbito por essa desorganização e falta de comando crônicas, além dos equívocos na definição geral da política de saúde do DF.

Não existe mais prevenção de doenças e promoção de saúde na rede pública local. Tudo virou emergência. E isso vai desde o topo do atendimento de alta complexidade até a UBS que devia estar fazendo acompanhamento pré-natal, de hipertensão e diabetes (só para citar algumas necessidades), mas não consegue, porque agora, graças à política adotada pelo GDF, atende paciente com parada cardiorrespiratória sem nem ter condição para isso.

A pandemia da covid-19 foi cruel com o nosso povo. A endemia da dengue também está sendo. Mas a maior crueldade que aflige os usuários do sistema público de saúde do DF são as mazelas da falta de gestão, de planejamento e de comando na Secretaria de Estado de Saúde.

Leia mais em Brasília Capital

Deixe um comentário

Rolar para cima