Mau humor, agressividade e infelicidade

BSB Capital 14/05/2016 às 19:55, Atualizado em 09/07/2016 às 3:37

Sistemáticos é como eram conhecidos os mal-humorados de antigamente. Hoje, sabe-se que os mal-humorados crônicos são pessoas doentes, deprimidas. Vivem sempre a queixar-se; reclamam de tudo e de todos. Porém, como não se consideram doentes, não buscam tratamento e não percebem que contaminam os filhos. A causa dessa infelicidade vem do inconsciente profundo. São revoltados …

Mau humor, agressividade e infelicidade Leia mais »

Sistemáticos é como eram conhecidos os mal-humorados de antigamente. Hoje, sabe-se que os mal-humorados crônicos são pessoas doentes, deprimidas. Vivem sempre a queixar-se; reclamam de tudo e de todos. Porém, como não se consideram doentes, não buscam tratamento e não percebem que contaminam os filhos.

A causa dessa infelicidade vem do inconsciente profundo. São revoltados com a vida atual. Noutras vidas foram ricos, bajulados e abusaram do poder. Hoje, numa condição de resgate, muitos são pobres, feios e, às vezes, têm de amargar a solidão ou viver com familiares agressivos, que também são infelizes.

Se não acordarem para a necessidade de tratamentos, perderão a atual existência. Esta vida de nada lhes valerá. Como ninguém está abandonado, sempre encontrarão, ao longo de suas vidas, pessoas para ajudá-los, alertá-los e, às vezes, tolerá-los.

Uma das marcas do infeliz é a ingratidão, que resulta em agressividade, mesmo com seus beneméritos. A inveja também faz parte de suas jornadas, porque não suportam ver os outros com aquilo que não têm ou não recebem. Como são ingratos, só vêem o que lhes falta e, por isso, são infelizes.

Razão teve o filósofo Huberto Rhoden quando ensinou: “Se o louco não conscientizar-se de sua loucura, não poderá curar-se”; e o psiquiatra Jorge Andrea viu, ao longo de sua atividade clínica, que muitos pacientes que não melhoravam com as medicações, recuperavam-se quando aceitavam participar de grupos de ajuda a outros necessitados.

Há 2000 anos, o grande psicólogo Jesus Cristo enunciou a Lei do Mérito: “O que quiseres receber, faça-o ao teu semelhante”.

 


Aprendendo com os grandes mestres


A vida não tem sentido?


Superando as frustrações afetivas


 

Deixe um comentário

Rolar para cima