Gusttavo Lima só canta por R$ 1 milhão

BSB Capital 03/06/2022 às 9:00, Atualizado em 03/06/2022 às 15:17

“Embaixador” cobra cachê maior do que PIB de prefeituras que o contratam. MPs de Roraima, Minas Gerais e Rio de janeiro investigam

Foto: Reprodução Instagram Gusttavo Lima

Diva Araújo

O cantor sertanejo Gusttavo Lima, também conhecido como “Embaixador”, se envolveu numa polêmica esta semana e agora é investigado por contratos milionários e suspeita de pagamentos com verbas públicas. As investigações começaram após um show contratado pela prefeitura de São Luís, em Roraima.

O município tem apenas 8 mil habitantes, PIB de R$ 147,6 mil, o segundo menor do estado, e um índice de 32% de extrema pobreza. No entanto, o sertanejo fechou um contrato de R$ 800 mil para se apresentar na 24ª edição da tradicional vaquejada da cidade.

Após uma polêmica envolvendo o também cantor sertanejo Zé Neto, da dupla com Cristiano, foi feito um levantamento dos valores de shows no mundo sertanejo e levantou os valores cobrados por Gusttavo Lima, dando início às investigações pelo Ministério Público de Roraima. Gusttavo tem o cachê mais caro do Brasil entre os cantores sertanejos.

Os Ministérios Públicos de Minas Gerais e do Rio de Janeiro também abriram investigações para apurar cobranças semelhantes em shows nas cidades de Magé (RJ) – R$ 1 milhão; e em Conceição do Mato Dentro (MG) – 1,2 milhão, verba que só poderia ser usada nas áreas de educação, saúde e infraestrutura.

Outra polêmica envolvendo o cantor aconteceu no dia 27 de maio, quando um helicóptero plotado em homenagem ao presidente Jair Bolsonaro sobrevoou Goiânia (GO) durante a motociata da comitiva presidencial. A aeronave pertence ao Frigorífico Goiás, empresa da qual o cantor é sócio.

No dia 30 de maio, o deputado federal e pré-candidato à Presidência da República André Janones (Avante) destinou quase R$ 2 milhões para uma exposição agropecuária com show de Gusttavo Lima, que acontecerá em Ituiutaba (MG).

Por meio de live divulgada no Instagram, Gusttavo Lima se defendeu. “Todos os artistas fazem show de prefeitura. Não é porque é uma prefeitura que eu vou deixar de cobrar o meu valor. Independente de ser show público ou privado, meu valor é 1 milhão, e ele não vai mudar”.

Leia mais em Brasília Capital

Deixe um comentário

Rolar para cima