Brasilienses criam site de troca de serviços entre profissionais

bsbcapitalPor ,04/02/2016 às 0:05, Atualizado em 09/07/2016 às 3:40

Rede social colaborativa aumenta o número de participantes, enquanto o poder de consumo dos brasileiros diminui   Gustavo Goes, do Brasília Capital “Em tempo de crise, seja criativo”. Este é o lema da FazoQuê, rede social brasiliense baseada na troca de serviços. O baixo poder de compra dos consumidores aliou necessidade à oportunidade e a …

Brasilienses criam site de troca de serviços entre profissionais Leia mais »

Rede social colaborativa aumenta o número de participantes, enquanto o poder de consumo dos brasileiros diminui
 
Amigos criaram site de consumo colaborativo. Foto: Reprodução/Facebook
Amigos criaram site de consumo colaborativo. Foto: Reprodução/Facebook

Gustavo Goes, do Brasília Capital

“Em tempo de crise, seja criativo”. Este é o lema da FazoQuê, rede social brasiliense baseada na troca de serviços. O baixo poder de compra dos consumidores aliou necessidade à oportunidade e a crise financeira nacional fez com que o escambo virtual se popularizasse.  Cerca de 2,2 mil pessoas estão cadastrados no site.

A rede foi criada em 2012, em fase de testes, e lançada oficialmente em novembro de 2015. Oito profissionais se encarregaram do trabalho de transformar o modelo de testes no modelo atual. “Ficamos três anos desenvolvendo a plataforma, porém, está em constante transformação e nos adaptamos conforme o feedback dos clientes”, diz o fundador Saulo Sena, 36 anos.

Leia mais notícias no Brasília Capital

O tempo de espera para que o aplicativo ficasse pronto não refletiu nas conquistas da empresa. Com a expectativa de alcançar a marca de 1 mil usuários até o final de 2015, a rede social conseguiu dobrar a meta. “Mesmo permitindo apenas pessoas físicas como usuários, muitas empresas recorrem aos serviços da plataforma para viabilizar seus negócios”.

A expectativa para 2016 é que 80% dos usuários cadastrados participem da troca de serviços, já que os 450 que se utilizam do serviço são apenas 20% do total.

Saulo Sena é um dos desenvolvedores do aplicativo. Foto: Fecomércio-DF
Saulo Sena é um dos desenvolvedores do aplicativo. Foto: Fecomércio-DF

Cadastro

Além do habitual cadastro que é feito nos sites, o usuário tem que inserir seu cadastro profissional e mantê-lo atualizado. Em seguida, é escolhido o segmento em que quer trocar serviços. As informações cadastradas são armazenadas no banco de dados, o que ajuda na hora da busca por uma lista de interesses e contatos.

Os principais recursos de uma rede social (fotos, textos e vídeos) também são disponibilizados para que o usuário possa mostrar seu talento e entrar em contato com as pessoas para realizar a troca. Após a negociação e realização do serviço, o usuário pode avaliar o profissional que realizou a atividade para estabelecer um ranking dos profissionais.


Leia mais notícias:


TJDFT suspende licitação do transporte público no DF


 


Brasília vai receber a Campus Party em 2017


Dentista grátis em Taguatinga Sul


Deixe um comentário

Rolar para cima