Dilma: “Eu não saio daqui, não faço essa renúncia”

BSB Capital 11/09/2015 às 7:50, Atualizado em 11/09/2015 às 7:50

Questionada se, em algum momento, a renúncia já lhe passou pela cabeça, presidente respondeu “não” em entrevista ao jornal Valor Econômico; “Eu não saio daqui, não faço essa renúncia. Não devo nada, não fiz nada errado. E mais. Acho que a popularidade da gente é função de um processo. De fato, a minha está bem …

Dilma: “Eu não saio daqui, não faço essa renúncia” Leia mais »

RSF_Dilma-Rousseff-e-representantes-de-movimentos-por-moradia_03

Questionada se, em algum momento, a renúncia já lhe passou pela cabeça, presidente respondeu “não” em entrevista ao jornal Valor Econômico; “Eu não saio daqui, não faço essa renúncia. Não devo nada, não fiz nada errado. E mais. Acho que a popularidade da gente é função de um processo. De fato, a minha está bem baixa hoje”, acrescentou; Dilma Rousseff admitiu que os cerca de 7% de aprovação de seu governo a incomodam; “Ninguém, em sã consciência, não se incomoda”, disse; mas afirmou, otimista, que acredita “no futuro deste país. Acredito que vamos sair dessa dificuldade”

A presidente Dilma Rousseff rechaçou com veemência a hipótese de renunciar à presidência da República, em entrevista concedida ao jornal Valor Econômico publicada nesta quinta-feira 10.

Questionada se, em algum momento, a renúncia já lhe passou pela cabeça, a presidente respondeu: “Não. Você já pensou que nunca perguntaram isso para nenhum homem? Por que mulher renuncia?”.

Lembrada que, apesar de não haver o questionamento, o ex-presidente Jânio Quadros renunciou, Dilma ressaltou: “Eu não saio daqui, não faço essa renúncia. Não devo nada, não fiz nada errado. E mais. Acho que a popularidade da gente é função de um processo. De fato, a minha está bem baixa hoje”.

A presidente admitiu que o baixo índice de popularidade (cerca de 7%) de seu governo a incomoda. “É claro. Ninguém, em sã consciência, não se incomoda”. Mas afirmou, otimista, que acredita “no futuro deste país. Acredito que vamos sair dessa dificuldade”.

Dilma explicou que o governo achou que “primeiro, a crise não iria durar tanto e, segundo, que as economias desenvolvidas iam se recuperar mais rápido e que atingiria com menos força a China”. Para a presidente, a forma de sair da crise econômica “é com exportação, investimento, uma política de apoio à expansão de investimento em logística, aeroporto, porto, rodovia e ferrovia, energia elétrica”.


Leia mais:


 

Distrital pede pressa na votação da revisão da Lei do Silêncio


Dilma acena com menos gastos e mais impostos


Baiano assina delação premiada na Lava Jato


 

 

Deixe um comentário

Rolar para cima