Comissão rejeita voto impresso obrigatório

Netto CostaPor ,07/08/2021 às 8:30, Atualizado em 06/08/2021 às 16:19

Presidente da Câmara quer levar a decisão ao plenário

Em uma derrota para o governo, a comissão especial da Câmara dos Deputados rejeitou a Proposta de Emenda à Constituição 135/19, que torna obrigatório o voto impresso. Foi na reunião de quinta-feira (5), quando o substitutivo do relator Filipe Barros (PSL-PR) obteve 23 votos contrários e apenas 11 favoráveis.

Durante a reunião, Aliel Machado (PSB-PR) e Paulo Ganime (Novo-RJ) defenderam a adoção de mecanismos que, mantido o atual sistema, permitam a auditoria dos votos registrados pelas urnas eletrônicas. “Mas retornar à contagem manual de votos em papel é puro retrocesso”, avaliou Machado.

O relator Filipe Barros, em seu substitutivo, propôs a contagem pública e manual de votos, obrigatoriamente impressos. Defendeu, ainda, que a futura lei sobre a execução e os procedimentos de votação teria aplicação imediata – normalmente, as regras eleitorais entram em vigor se aprovadas um ano antes das eleições.

Plenário – O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), afirmou que a PEC poderá ser avocada pelo Plenário, ou seja, levada para votação por todos os 513 deputados, mesmo depois da derrota na comissão especial. A manobra surpreendeu, pois a expectativa era que o assunto fosse encerrado na comissão.

A impressão do voto é uma das bandeiras de Bolsonaro, que não cansa de lançar suspeitas de fraude em relação ao voto eletrônico, mesmo sem nunca ter apresentado provas de qualquer irregularidade.

Deixe um comentário

Rolar para cima