Audiência pública realizada pela CLDF debateu os problemas da Assistência Social do DF

BSB Capital 05/07/2022 às 15:14, Atualizado em 05/07/2022 às 16:26

Principais críticas foram a falta de servidores e de estrutura dos equipamentos. De acordo com a deputada Arlete Sampaio (PT), Brasília foi a capital brasileira onde a pobreza mais cresceu, com 260 mil pessoas tentando fazer a inscrição para Cadastro Único nos programas sociais, sem sucesso

Audiência pública na CLDF. Foto: Rinaldo Morelli/CLDF

Da Redação

A Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) debateu os problemas da Assistência Social do DF, em audiência pública realizada na quinta-feira (30/6). Principais críticas foram a falta de servidores e de estrutura dos equipamentos.

De acordo com a deputada Arlete Sampaio (PT), Brasília foi a capital brasileira onde a pobreza mais cresceu, com 260 mil pessoas tentando fazer a inscrição para Cadastro Único nos programas sociais, sem sucesso.

Arlete disse estar “extremamente preocupada” com as filas nos Centros de Referência de Assistência Social (CRAS), citando uma marcação de atendimento agendada para 2028. Disse ainda que todas as sugestões da audiência constarão em relatório a ser encaminhado ao Governo do Distrito Federal (GDF).

Segundo o deputado Leandro Grass (PV), a maioria dos problemas são antigos, mas que se agravaram na atual gestão do GDF. Destacando o aumento da extrema pobreza e da fome, afirmou: “Isso tem a ver com decisões políticas e decisões de políticas públicas tomadas no âmbito da Secretaria de Desenvolvimento Social do DF (Sedes). E o primeiro deles é o fatiamento dos programas”. Para o deputado, as nomeações para a pasta não foram suficientes e há problemas de infraestrutura 

Para o deputado Fábio Félix (Psol) a descentralização de recursos, como ocorre na Educação (Programa de Descentralização Administrativa e Financeira – PDAF) melhorou a situação das escolas. “O problema é que os governos não querem abrir mão da centralização porque traz poder”, afirmou. Segundo ele, a infraestrutura da assistência Social no DF está “aos pedaços”.

Já o deputado Reginaldo Veras (PV) sugeriu que o GDF apresente projeto de lei de descentralização dos recursos, seguindo modelo do PDAF. “Seria extremamente interessante, vocês deixariam um legado pelo menos para a recuperação da infraestrutura desses equipamentos. É revolucionário o que tem sido feito nas escolas nos últimos sete anos” e salientou que a mudança viabilizaria mais recursos por meio de emendas parlamentares.

O presidente do Sindicato dos Servidores da Assistência Social e Cultural do GDF (Sindsasc), Edglay Avelino de Sousa, criticou o quadro de pessoal da Sedes. “Quando eu entrei, em 1994, nós tínhamos aproximadamente 4.800 servidores na carreira pública de assistência social. Hoje, passamos muito pouco de 2 mil servidores”.

O representante do Movimento População de Rua, Cleidson Oliveira, criticou a parceria do GDF com algumas instituições religiosas. “Donos de entidades terapêuticas, de ONGs religiosas, usam a população de rua como degrau para acessar recursos que o estado pode oferecer no intuito de cuidar dessas pessoas. Nosso governador segue uma lógica, que vem desde o Governo Federal, de abraçar a igreja que serve de cartório eleitoral”, criticou. Segundo ele, estas instituições não tratam da saúde mental, não ressocializam e não capacitam os moradores de ruas.

Teresinha da Silva Rocha. Foto: Rinaldo Morelli/CLDF

De acordo com a presidente da Associação de Moradores do Porto Rico, Teresinha da Silva Rocha, há apenas um único CRAS em Santa Maria, com dez assistentes, que tem uma população de 130 mil pessoas, enquanto deveria haver, ainda de acordo come ela, uma unidade a cada 5 mil.

A assistente social do CRAS do Gama, Beth Trindade, criticou a falta de disponibilidade da secretária da Sedes, Mayara Rocha, em receber os servidores. Ela defendeu a unificação dos benefícios e a realização de mais audiências sobre o tema na CLDF.

O GDF tem falhado na proteção das mulheres e das pessoas mais pobres, segundo a representante do Rotary Club, Lúcia Bessa. “Tantos os servidores e servidoras, quanto as pessoas que mais necessitam da assistência social no DF, estão completamente desassistidos e desassistidas em total desrespeito, em um total desamparo e desacolhimento”, afirmou.

O diretor de Relações e Comunicação do Sindicato dos Servidores da Assistência Social e Cultural do GDF (Sindsasc), Clayton Avelar, disse que havia no DF 246 mil famílias cadastradas no Cadastro Único no início de março graças aos servidores. “É um ato de heroísmo de quem trabalha na assistência social, que não é devidamente reconhecido pelo Governo”. De acordo com Clayton, foram nomeados 61 servidores, mas que há mais cerca de 230 aprovados no concurso que “precisam” ser chamados. “É necessário, para ontem, que a Sedes apresente um plano de construção, reforma, locação de imóveis”, alertou.

Na opinião da conselheira tutelar e servidora da Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes), Telma Melo, o problema da assistência social é a falta de trabalhadores: “A gente precisaria de 5.500 servidores, e a gente não tem mais do que 800 servidores trabalhando. Falta compromisso político desse Governo com as pessoas mais pobres do DF”. Para Telma, a carga horária dos assistentes sociais deveria ser de 30 horas, para não sobrecarregar mais esses profissionais que, segundo ela, pertencem à segunda categoria que mais adoece.

A resposta da Sedes

A secretária adjunta da pasta, Ana Paula Soares Marra, disse que levará todas as sugestões para análise pela área técnica da Secretaria. Para ela, o DF “tem a maior rede de proteção de segurança alimentar e nutricional do país”.  Argumentou que o GDF paga o Cartão Prato Cheio para 60 mil famílias, no valor de R$ 250 ao mês, enquanto em 2019 eram entregues “no máximo” 6 mil cestas mensalmente. Sobre a marcação para 2028, ela afirmou que foi um erro do sistema.
 

Disse ainda que a atual gestão encontrou a Sedes “totalmente desestruturada” e que já nomeou 1.121 servidores para a assistência social, sendo 866 para a Sedes. “Pegamos com em torno de 1.100 e estamos batendo quase 2 mil servidores. Porque a gestão entende que política pública efetiva se faz com servidor público efetivo”.

Marra destacou a implantação do atendimento do Cadastro Único em todas as unidades do Na Hora e afirmou que será assinado em breve plano de trabalho para 14 novos postos do Cadastro Único, com contratação de organizações da sociedade civil. “Pegamos uma secretaria com 27 postos de atendimento e estamos agora indo para 50 postos de atendimento”, contabilizou a gestora.

Com informações da Agência CLDF.

Leia mais em Brasília Capital

Deixe um comentário

Rolar para cima