Brasília não terá desfile de escolas de samba no carnaval de novo. MC e passistas protestam

bsbcapitalPor ,08/01/2016 às 20:28, Atualizado em 09/07/2016 às 3:40

Escolas de Samba ficam fora do carnaval de Brasília pelo segundo ano consecutivo   Gustavo Goes O carnaval de Brasília não terá o tradicional desfile das escolas de samba. A folia, que começa no sábado, dia 6 de fevereiro, vai se restringir aos blocos de rua. Pelo segundo ano consecutivo, as agremiações acabam pagando a …

Brasília não terá desfile de escolas de samba no carnaval de novo. MC e passistas protestam Leia mais »

Escolas de Samba ficam fora do carnaval de Brasília pelo segundo ano consecutivo
 
Passistas da Acadêmicos do Varjão e MC Bandida protestam contra a ausência das escolas de samba no carnaval de 2016. Foto: Bruno Afonso
Passistas da Acadêmicos do Varjão e MC Bandida protestam contra a ausência das escolas de samba no carnaval de 2016. Foto: Bruno Afonso

Gustavo Goes

O carnaval de Brasília não terá o tradicional desfile das escolas de samba. A folia, que começa no sábado, dia 6 de fevereiro, vai se restringir aos blocos de rua. Pelo segundo ano consecutivo, as agremiações acabam pagando a conta pela falta de verba no Governo de Brasília. O anúncio foi feito na terça-feira (5) pelo secretário de Cultura, Guilherme Reis, que investirá R$ 780 mil nos blocos de rua. Em 2014, esse investimento foi  de apenas R$ 70 mil. Contra a ausência das escolas de samba, passistas da Acadêmicos do Varjão e a MC Bandida protestaram em frente ao Buriti na sexta-feira (8).

Os recursos da Secretaria de Cultura serão destinados à estrutura dos blocos de carnaval, dando prioridade aos de maior tradição, que não devem fazer grandes contratações de bandas e artistas. O custo inclui os blocos do pré-carnaval, que já entram em cena neste mês de janeiro, como o Tesourinha, Virgens da Asa Norte e Suvaco da Asa, que desfilam nos dias 15, 17 e 23, respectivamente.

Escolas de samba têm material pronto e dívidas para pagar desde o governo Agnelo. Foto: Divulgação
Escolas de samba têm material pronto e dívidas para pagar desde o governo Agnelo. Foto: Divulgação

Para as escolas restou a afirmação do secretário de Cultura: “para a realidade do governo neste momento, não é possível fazer repasses”. Segundo o presidente da União das Escolas de Samba e Blocos de Enredo do Distrito Federal (Uniesbe), Geomar Leite, também conhecido como Pará, o governador Rodrigo Rollemberg pediu desculpas por telefone e prometeu que em julho e outubro serão feitos repasses para que agremiações quitem suas dívidas e realizem o carnaval de 2017.

“Estávamos esperançosos para este carnaval, porém, novamente, o governador foi contra tudo que ele prometeu. Temos verba direcionada no orçamento e, mesmo assim, temos uma dívida de R$ 2,5 milhões. Fazemos um espetáculo aberto ao público e de cunho social, que envolve 2 mil funcionários. Enquanto o governo gasta R$ 25 milhões custeando jogos olímpicos, que terão ingressos caríssimos e um público restrito”, disse.

A demora no anúncio dos investimentos para o carnaval, que estava previsto para acontecer em novembro, também foi criticada pelo presidente. “Nós teríamos R$ 7,5 milhões a partir de emendas parlamentares. Porém, o anúncio feito apenas em 2016 acabou com nossas esperanças. Não temos tempo hábil para preparar a festa”, completou.

É a quinta vez que as escolas de samba do DF não pisam na avenida e, embora isto represente um atraso, segundo Pará, é algo corriqueiro em transições de governo.  Ao ano de 2015, são somados os de 1981, 1995 e 2003 em que não houve desfile de escolas de samba.


Leia mais:


Uma das maiores piscinas de bolinhas do Brasil desembarca em shopping de Brasília


Mesmo depois da Operação Dubai, preço da gasolina sobe nos postos do Distrito Federal


Deixe um comentário

Rolar para cima