Você é o que as bactérias que vivem em você comem

BSB Capital15/05/2022 às 9:00, Atualizado em 16/05/2022 às 14:45

A microbiota intestinal é capaz de extrair energia e produzir nutrientes e outras substâncias que atuam em diversas partes do nosso corpo

Foto: divulgação

Caroline Romeiro

Existe uma frase muito famosa na Nutrição que diz: “Você é o que você come”. Essa frase se popularizou no meio da saúde porque, de fato, nossas células precisam de nutrientes que vêm dos alimentos para a nossa sobrevivência. E não apenas para gerar energia, mas para construir e reconstruir tecidos.

Portanto, para crescer e ter saúde, precisamos dos alimentos que nos fornecem os nutrientes necessários para isso. A questão é que, especialmente na última década, muito tem se falado da importância das bactérias que vivem em simbiose com o ser humano, especialmente as bactérias intestinais.

A microbiota intestinal, como é chamada essa população de micro-organismos que ali residem, é capaz de extrair energia e produzir nutrientes e outras substâncias, como neurotransmissores e hormônios que atuam em diversas partes do nosso corpo.

Hoje sabemos que a obesidade pode ser um quadro influenciado pela microbiota intestinal, bem como diabetes, doenças cardiovasculares, alergias, depressão, ansiedade, autismo, entre tantas outras condições de saúde.

Foto: Reprodução

Isso significa, de uma forma muito simples, que nós precisamos fornecer bons alimentos e nutrientes para que esses micro-organismos possam contribuir com a nossa saúde. Por isso, o funcionamento do intestino diz muito sobre a nossa saúde.

Então fique atento! Quadros que fogem ao normal, como diarreia frequente ou constipação intestinal, dores ao evacuar, sangramento ou presença de muco nas fezes podem ser sinais de alerta e precisam de avaliação profissional.

Por isso, como eu sempre digo, busque auxílio de um bom nutricionista para cuidar da sua saúde!

(*) Presidente do Conselho Regional de Nutricionistas 1ª Região

Instagram: @carolromeiro_nutricionista

Leia mais em Brasília Capital

Deixe um comentário

Rolar para cima