Sindicato notifica Banco do Brasil sobre distanciamento social em agências

bancariosPor ,19/10/2021 às 9:29, Atualizado em 19/10/2021 às 9:32

Na volta ao trabalho presencial, entidade exige cumprimento do protocolo do GDF: afastamento de 2 metros em agências do Banco do Brasil

banco do brasil sindicato dos bancários notifica salário mínimo
Agência do Banco do Brasil em Taguatinga. Foto: Sindicato dos Bancários

O Banco do Brasil fez o convite, mas não arrumou a casa para receber os bancários e bancárias no retorno ao trabalho presencial. É o que os trabalhadores têm relatado, e o Sindicato confirmou durante visitas aos locais de trabalho. Ao contrário do que estipula o artigo 5º, I, do Decreto nº 45.525 do GDF, de 21 de setembro de 2021, o banco não tem respeitado os dois metros de distância mínima entre os bancários.

Em ofício enviado no dia 30 de setembro, o Sindicato cobra do BB a observância dos protocolos de segurança recomendados pelas organizações sanitárias nacionais e internacionais. A entidade, empenhada na defesa de vidas humanas e na desaceleração da propagação do vírus, pede que o Manual Trabalho Presencial Diretrizes o Covid-19 seja urgentemente retificado. O BB ainda não se manifestou.

Banco do Brasil

“O Banco do Brasil não comunicou previamente ao Comando Nacional dos Bancários que iria fazer essa convocação que está chamando de retorno voluntário. No entanto, o Sindicato está atento, e vale lembrar que, de acordo com decreto do GDF, o distanciamento mínimo entre funcionários de órgãos e empresas públicos é de 2 metros, diferente do determinado pelo governo federal, que é de 1 metro. Queremos padronizar em 2 metros”, explica o diretor do Sindicato, Humberto Maciel.

Apesar das altas taxas de transmissão e do número de mortes ainda muito alto, o banco planeja que todos os bancários e bancárias retornem ao trabalho presencial até dezembro deste ano. Os representantes dos trabalhadores exigem negociação, planejamento e aplicação das medidas de segurança como requisitos para o fim do teletrabalho.

Leia mais no Brasília Capital

** Este é um artigo de opinião. A visão do autor não necessariamente expressa a linha editorial do jornal Brasília Capital

Deixe um comentário

Rolar para cima