O Carnaval brasileiro nasceu nas ruas da Cidade Maravilhosa

mmPor ,26/01/2018 às 9:55, Atualizado em 26/01/2018 às 9:55

Não havia a TV para transmitir os desfiles hoje tão comemorados das Escolas de Samba

Ainda não havia a TV para transmitir os desfiles hoje tão comemorados das Escolas de Samba, mas nem por isso a animação era menor porque o festejo era transmitido pelo rádio e tinha o seu tradicional sambódromo na antiga Praça Onze do Rio de Janeiro. Isto porque, na verdade, o carnaval brasileiro nasceu mesmo foi nas ruas da Cidade Maravilhosa, que ganhou este epíteto quando o compositor carioca André Filho gravou esse sucesso em 1935.

Historicamente, carnaval é originário do latim carnis levale, que significa “retirar a carne” (manutenção do jejum que deveria ser observado durante a Quaresma), tentativa em vão da Igreja Católica de enquadrar o evento como festividade pagã. Mas, a propósito do que era pecado mortal para o Vaticano, confesso que sinto saudades daqueles tempos em que se brincava nas ruas do Rio, no ritmo do Cordão do Bola Preta, o mais antigo do país, fundado em 1918; ou, como alternativa, ingressar nos blocos improvisados que surgiam em todos os cantos, até mesmo nos bondes:

“Seu condutor, dim, dim / Seu condutor, dim dim, Pare o bonde pra descer o meu amor / O bonde da Lapa é cheio de chapa / E o bonde Uruguai é cheio que vai / E o Praça Tiradentes não serve pra gente…”

Ou rebolar legal, sob o comando da inesquecível voz da Carmem Miranda: “Mamãe eu quero, mamãe eu quero mamar / Dá a chupeta, dá a chupeta pro bebê não chorar / Dorme, filhinho do meu coração / Pega a mamadeira e vem entrar no meu cordão…”

Nos casos que chamaram a atenção, eis um deles: No desfile especial programado pelo jornal Amanhã, na madrugada de 1º de janeiro de 1950, uma passista da Portela deu à luz uma menina.

Mas como todo começo tem fim, no início do ano de 1940, o fato relevante foi: “Vão acabar com a Praça Onze / Não vai haver mais Escola de Samba, não vai / Chora o tamborim / Chora o morro inteiro / Favela, Salgueiro, / Mangueira, Estação Primeira. / Guardai os vossos pandeiros, guardai / Porque a Escola de Samba este ano não sai!”

Foi uma grande tristeza, mas as escolas de samba sobreviveram, com mais luxo, mas não com tanta beleza!

Deixe um comentário

Rolar para cima