Inclusão em primeiro lugar

BSB Capital 09/05/2014 às 19:24, Atualizado em 09/05/2014 às 19:24

Gustavo Goes          O jiu-jitsu do Distrito Federal ganhou projeção nacional no início de maio. A academia CEI Jiu-Jitsu, de Ceilândia, conquistou onze medalhas no Campeonato Brasileiro organizado pela Confederação Brasileira (CBJJ) entre quinta-feira (1º) e domingo (4), em Barueri (SP). Incentivados pelo programa “Compete Brasília”, do Governo do Distrito Federal, os atletas do professor …

Inclusão em primeiro lugar Leia mais »

Gustavo Goes

         O jiu-jitsu do Distrito Federal ganhou projeção nacional no início de maio. A academia CEI Jiu-Jitsu, de Ceilândia, conquistou onze medalhas no Campeonato Brasileiro organizado pela Confederação Brasileira (CBJJ) entre quinta-feira (1º) e domingo (4), em Barueri (SP).

Incentivados pelo programa “Compete Brasília”, do Governo do Distrito Federal, os atletas do professor Cláudio Meneses, o “Cláudio Careca”, conseguiram sete medalhas de ouro, duas de prata e duas de bronze.

“Fiquei muito emocionado, pois me tornei o melhor lutador do Brasil na minha categoria. Era um sonho, agora é realidade. Já estou com planos para lutar no exterior, mas a falta de apoio é muito grande”, contou Pedro Maia de 14 anos, aluno da Cei Jiu-Jitsu.

As conquistas em competições nacionais impressionam. Mas elas são o resultado de um trabalho sério e de muita dedicação de “Careca” do seu filho, Cláudio. Juntos, na Academia CEI Jiu-Jitsu, eles formam atletas de ponta na modalidade e ainda encontram tempo para desenvolver um belo trabalho social, um projeto de integração da prática esportiva com deficientes físicos.

“O Jiu-Jitsu adaptado para pessoas com necessidades especiais tem como objetivo melhorar a movimentação e a autoestima dos alunos. Isso será vital para tirar esses jovens do sedentarismo e da depressão, mostrando que o Jiu-Jitsu é capaz de mudar uma vida”’, disse Cláudio Filho.

O projeto “Indo à Luta”, que existe há 14 anos e com seis meses de dedicação a deficientes físicos, já atende 15 jovens da rede pública de ensino. O objetivo é conseguir parcerias com hospitais, clínicas, associações e escolas, que trabalhem com jovens especiais, para que mais pessoas possam ser beneficiadas.

Foto 1

Deixe um comentário

Rolar para cima