Filosofando, com a ajuda de Sócrates

mmPor ,19/09/2015 às 20:58, Atualizado em 19/09/2015 às 20:58

Ao contrário do que muita gente pensa, o verbo filosofar é de livre acesso a qualquer humano mortal e não apenas aos classificados pomposamente de intelectuais, alguns destes apelidados de intelectualoides, esnobismo para justificar uma erudição que não possuem de fato. Etimologicamente, o verbo fhysis era utilizado pelos filósofos pré-socráticos para investigar e fazer surgir o cogitado por esse pensamento, …

Filosofando, com a ajuda de Sócrates Leia mais »

Ao contrário do que muita gente pensa, o verbo filosofar é de livre acesso a qualquer humano mortal e não apenas aos classificados pomposamente de intelectuais, alguns destes apelidados de intelectualoides, esnobismo para justificar uma erudição que não possuem de fato. Etimologicamente, o verbo fhysis era utilizado pelos filósofos pré-socráticos para investigar e fazer surgir o cogitado por esse pensamento, sobre qualquer assunto, inclusive tentar saber de que era feito o mundo e o ser humano. Foi assim que Tales de Mileto conseguiu prever um eclipse total do sol, isto 585 anos antes de Cristo (585 a.C.).

Outro equívoco frequentemente divulgado por alguém mal informado é que a Filosofia nasceu na Grécia, quando na verdade o primeiro filósofo que surgiu na História do mundo foi o próprio Tales, que marcou época em Mileto, região que hoje pertence à Turquia, ou seja 116 séculos antes do auge dos filósofos atenienses. O que é importante afirmar é que, de lá para cá, surgiram dezenas de grandes e meritórios filósofos, a exemplo de Dante Alighieri, Maquiavel, Descartes e tantos outros, incluindo Karl Marx. Mas nenhum deles suplantou Sócrates, Platão ou Aristóteles, simplesmente porque a filosofia destes era abrangente, enquanto a de seus posteriores se caracterizava por ser específica. O mais curioso: o ateniense Sócrates (469 a.C.) é considerado até hoje como o pai da filosofia ocidental, mesmo depois de ter afirmado: “só sei que nada sei!”

Outros dois fatos reais e absolutamente surpreendentes: tido como o homem mais sábio do mundo, Sócrates jamais escreveu um livro. Até por isso, já foi colocada em dúvida a sua existência em vida, não fosse ter sido protagonista da obra de Platão e ratificada por escritos de outros dois pensadores da época: Aristófanes e principalmente Xenofonte.

Outra coincidência relevante: tal qual Jesus, que também não rabiscou sequer uma linha biográfica (mas que teve sua vida detalhadamente divulgada por seus apóstolos) e morreu injustamente crucificado numa cruz –, o filósofo Sócrates, acusado de colocar em risco a moralidade ateniense, optou por ingerir um cálice de Cicuta, veneno que paralisa gradualmente o corpo. E se despediu de seus discípulos com esta frase: “A vida irrefletida não vale a pena ser vivida!”

 


Parabéns, Juscelino – onde estiver!


A única solução para salvar o Brasil


Cláudio Augusto ou Daniela


 

Deixe um comentário

Rolar para cima