Deputado diz que votar no PT é consequência do uso de maconha e gera polêmica

bsbcapitalPor ,15/05/2015 às 17:42, Atualizado em 15/05/2015 às 17:42

Durante sessão da Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados, uma declaração do deputado Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS) arrancou risos e provocou polêmica na Casa. A sessão aconteceu na quarta-feira (13) em Brasília. Em meio a um pronunciamento contrário à legalização da maconha, Mandetta disparou. “É a mesma coisa vai fazer maconha mais forte …

Deputado diz que votar no PT é consequência do uso de maconha e gera polêmica Leia mais »

Durante sessão da Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados, uma declaração do deputado Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS) arrancou risos e provocou polêmica na Casa. A sessão aconteceu na quarta-feira (13) em Brasília.

Em meio a um pronunciamento contrário à legalização da maconha, Mandetta disparou. “É a mesma coisa vai fazer maconha mais forte mais fraca, embalada não embalada faz mal, dá câncer para que vai liberar? Depois o cara começa na maconha, passa pra cocaína vai no crack e acaba votando no PT no final do processo todo”. Na ocasião, a fala levou os integrantes da Comissão às gargalhadas. No fim, o deputado federal pediu desculpas aos presentes.

Porém, o pedido de desculpas do parlamentar não surtiu efeito. Em Mato Grosso do Sul, estado de origem do deputado, a afirmação gerou revolta dos petistas. De acordo com o deputado estadual Amarildo Cruz (PT), a declaração de Mandetta foi ‘desrespeitosa e sem moral’.

“A afirmativa dele é de quem não tem credibilidade. Só reforçou a importância que o PT passa para as pessoas mais humildes do País e do Estado. Ele não tem moral alguma e precisa responder os processos do Gisa antes de tentar falar mal de algo. A postura do deputado foi irresponsável e egoísta. Para nós, ele é um zero à esquerda”, disse Amarildo.

Veja o vídeo:


Leia Mais:


siteProjeto de Eduardo Cunha pode favorecer a censura


Senadores ainda veem riscos para Fachin


Dilma tenta vencer oposição do Senado a indicado ao STF


 

 

 

Deixe um comentário

Rolar para cima