Brasileiros já pagaram mais de R$ 1 trilhão em impostos e taxas neste ano

bsbcapitalPor ,05/07/2016 às 17:17, Atualizado em 09/07/2016 às 3:43

O impostômetro da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), na região central da capital paulista, atingiu hoje (5), no início da tarde, a marca de R$ 1 trilhão, valor que abrange o total de impostos, taxas e contribuições pagas pela população brasileira nos três níveis de governo (municipal, estadual e federal) neste ano. Segundo a …

Brasileiros já pagaram mais de R$ 1 trilhão em impostos e taxas neste ano Leia mais »

Agência Brasil
Consumidor paga caro por alguns produtos e serviços, mas a arrecadação do governo não parece suficiente. Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

O impostômetro da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), na região central da capital paulista, atingiu hoje (5), no início da tarde, a marca de R$ 1 trilhão, valor que abrange o total de impostos, taxas e contribuições pagas pela população brasileira nos três níveis de governo (municipal, estadual e federal) neste ano.

Segundo a ACSP, em 2015, esse valor foi alcançado em 29 de junho e o atraso está associado à queda na arrecadação, decorrente da crise que atinge o país e enfraquece a atividade econômica. “Mesmo com esse enfraquecimento, o painel chega a R$ 1 trilhão em função do avanço da inflação. Com preços mais altos, o consumidor desembolsa, também, maiores valores em impostos, já que esses são calculados sobre o preço final das mercadorias e serviços”, diz a ACSP.

Pibinho – Para o presidente da ACSP, Alencar Burti, o governo federal precisa focar nos gastos de médio prazo e deixar a economia se recuperar, já que, embora o Produto Interno Bruto (soma de todas as riquezas produzidas no País) não tenha previsão de crescimento para este ano, há indícios de melhoria para todos os setores da economia no segundo semestre.

“Defendemos que não deve haver aumento de impostos, porque isso só pioraria a situação. Apesar dos aumentos realizados pela administração anterior, vimos que a arrecadação não melhorou em nada. Ou seja, não surtiu nenhum efeito nos cofres do governo. E a carga tributária já está no limite”, finalizou.

Deixe um comentário

Rolar para cima