Último dia para vacinação contra poliomelite

bsbcapitalPor ,12/07/2013 às 14:27, Atualizado em 12/07/2013 às 14:27

Hoje (12) é o último dia da campanha contra a poliomelite no Distrito Federal. Crianças de 6 meses a 5 anos de idade podem ser vacinadas em qualquer posto da rede pública, lembrando a necessidade dos pais apresentarem o cartão de vacinação. No período de 3 de junho a 5 de julho foram vacinadas 160.838 mil, …

Último dia para vacinação contra poliomelite Leia mais »

Hoje (12) é o último dia da campanha contra a poliomelite no Distrito Federal. Crianças de 6 meses a 5 anos de idade podem ser vacinadas em qualquer posto da rede pública, lembrando a necessidade dos pais apresentarem o cartão de vacinação. No período de 3 de junho a 5 de julho foram vacinadas 160.838 mil, a meta estipulada pela secretaria de Saúde do DF é vacinar 173.764 mil crianças.

“Infelizmente a procura este ano foi abaixo do esperado. Novamente pedimos aos pais a consciência de levar o seu filho a algum posto de vacinação para receber a vacina, que é a única forma de prevenção da paralisia infantil”, alerta a subsecretária de Vigilância à Saúde, Marília Cunha.

A campanha tem como objetivo manter o Brasil na condição de país certificado internacionalmente para a erradicação da poliomielite, estabelecendo proteção coletiva e a disseminação do vírus vacinal no meio ambiente.  A vacina é oral e extremamente segura, sendo raras as reações associadas a sua administração. A poliomielite ou “paralisia infantil” é uma doença infectocontagiosa viral aguda, caracterizada por quadro de paralisia flácida de início súbito. O déficit motor instala-se subitamente e a evolução desta manifestação, frequentemente, não ultrapassa três dias.

A vacina não é recomendada a crianças com o quadro de infecções agudas e febre acima de 38ºC, com imunodepressão congênita ou adquirida (como AIDS), ou que estejam se submetendo a quimioterapia e apresentem alergia grave a um dos componentes da vacina não devem ser imunizadas. Em caso de dúvida os pais devem procurar orientação do seu médico.

 

Nathália Paccelly

Repórter do Brasília Capital

Deixe um comentário

Rolar para cima