Troca de luminária teria causado fogo em museu, segundo funcionário

bsbcapitalPor ,22/12/2015 às 10:31, Atualizado em 22/12/2015 às 10:31

    O incêndio que destruiu o Museu da Língua Portuguesa na segunda-feira (21) pode ter sido causado por um curto-circuito iniciado na troca de uma luminária. A informação foi dada por um funcionário do museu a equipes da Defesa Civil, segundo o coordenador do órgão, Milton Persoli. Segundo o relato, a troca foi no …

Troca de luminária teria causado fogo em museu, segundo funcionário Leia mais »

 

_d30079

 

O incêndio que destruiu o Museu da Língua Portuguesa na segunda-feira (21) pode ter sido causado por um curto-circuito iniciado na troca de uma luminária. A informação foi dada por um funcionário do museu a equipes da Defesa Civil, segundo o coordenador do órgão, Milton Persoli.

Segundo o relato, a troca foi no segundo andar do museu, mesmo local onde o fogo começou. A possível causa será investigada juntamente com outras pela polícia. Durante a madrugada, técnico do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) já realizaram uma primeira investigação no local.

O trabalho de investigação só deverá avançar, porém, com o final do trabalho de rescaldo pelo Corpo de Bombeiros, que ainda continuava na manhã desta terça. Pequenos focos ainda apareciam no interior da edificação.

Milton Persoli disse que “uma simples troca de luminária, sem uma prevenção adequada, pode desencadear um processo como esse”, afirma.

Todo o prédio foi afetado pelo fogo e pela fumaça e vai ter que ser reconstruído, de acordo com o Corpo de Bombeiros. Após o incêndio ter sido controlado, ainda havia risco de queda de parte do telhado. “Foi uma área bem grande, afetou todos os pavimentos. Praticamente toda a área do museu”, afirmou o comandante do Corpo de Bombeiros, Rogério Bernardes Duarte.

 

Por isso, trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) não circulam pela Estação na manhã desta terça. Veja asalternativas.

O bombeiro civil Ronaldo Pereira, que trabalhava no museu, morreu durante o incêndio.

Incêndio
O fogo começou no primeiro andar por volta de 16h, e rapidamente alcançou os dois andares superiores e o telhado do edifício construído em 1901, que abriga o museu desde a sua inauguração, em 2006. Mais de 60 viaturas e 120 bombeiros foram ao local tentar controlar o fogo. Eles impediram que o telhado levasse as chamas até a Estação da Luz.

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, disse que o Museu da Língua Portuguesa “será reconstruído”. “Esse, que era um dos mais visitados museus, traduz a alma do povo brasileiro, e será reconstruído. Vamos imediatamente tomar todas as providências, unir a iniciativa privada e nossos parceiros para a sua reconstrução”, disse o governador (veja o vídeo abaixo).

Sem auto dos bombeiros e alvará
O museu estava fechado para o público nesta segunda-feira. O Museu da Língua Portuguesa fica na Praça da Luz e tem três pavimentos e uma área de 4,3 mil m². tinha todos os equipamentos de segurança necessários, mas não tinha o Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB), e o alvará de funcionamento, concedido pela Prefeitura.

O secretário estadual de Cultura, Marcelo Mattos Araujo, afirmou que o museu tinha todos os equipamentos de segurança necessários, mas que não tinha alvará. “A questão do alvará é complexa porque o museu está em um prédio histórico e compartilhado com a Estação da Luz. O alvará é único para esse grupo, estação e museu. Na parte do museu não existe alvará, mas existem projetos que foram apresentados para os Bombeiros e foram implantados”, explica o secretário.

O comandante dos Bombeiros, Rogério Bernardes Duarte, disse ao G1 que o prédio estava em processo de regularização junto ao Corpo de Bombeiros. “É um projeto que está em análise e, a partir do momento da aprovação, é feita a vistoria. Isso significa que desde que tenha o alvará de funcionamento da Prefeitura ele pode funcionar. Acredito que essa parte estava regularizada, mas eu não sei dizer, precisa ver com a Prefeitura.”

Em nota, a Prefeitura de São Paulo afirmou que o museu ainda não tinha o alvará emitido.

 

Fonte: G1

Deixe um comentário

Rolar para cima