Thaís Riedel pede anulação das eleições da OAB-DF

bsbcapitalPor ,23/11/2021 às 10:43, Atualizado em 23/11/2021 às 10:43

Candidata derrotada nas eleições do último domingo alega falta de transparência e confiabildade no sistema de votação online da OAB-DF

Thaís Riedel teve 34% dos votos. Foto: Pedro França/Agência Senado

A chapa liderada pela advogada Thaís Riedel, segunda colocada na eleição da OAB-DF, realizada domingo (21), protocolou pedido de anulação do pleito. Os argumentos são falta de transparência e de confiabilidade no sistema de votação online.

A impugnação foi protocolada ontem à noite perante a comissão eleitoral da OAB-DF. E, segundo integrantes da campanha, se o pedido não for acatado, haverá judicialização das eleições. A chapa entrará com uma ação judicial.

As informações são do Correio Braziliense

A chapa da Thaís alega que não houve transparência, lisura e nem garantia de fidedignidade das informações. “O sistema não proporciona as garantias de integridade necessárias para atestar que as informações registradas em seu banco de dados não possam ser adulteradas, o que foi evidenciado pelas explicações que a própria empresa fornecedora da solução fez para os participantes do evento ocorrido na manhã”.

O presidente da OAB-DF, Délio Lins e Silva Júnior, foi reeleito com 45,60% dos votos. Thaís obteve 34%. Renata Amaral ficou com 10,89%. Em seguida, Evandro Pertence, com 5,43%, e Guilherme Campelo, com 4,09%.

Délio disse que Thaís deveria respeitar a vontade da advocacia. “O sistema é absolutamente seguro e a chapa dela comprovou isso. A Thaís deveria respeitar o resultado das eleições e a vontade da advocacia”, afirmou o presidente reeleito.

Dados alterados

Na peça apresentada à comissão eleitoral da OAB-DF, a chapa da Thaís sustenta que houve alteração de dados ao longo do dia da eleição, que começou com 36.372 advogados habilitados a votar e encerrou com 36.378. “A alteração na quantidade de pessoas habilitadas a votarem durante o dia da eleição, enquanto aberta e ocorrendo através do sistema online, indica que houve alteração na base de dados, já que os quadros mostram a alteração do banco de dados de eleitores”, diz na impugnação.

Outro ponto atacado: durante o processo de apuração, houve um apagão no sistema de 30 minutos e, quando voltou, o resultado foi apresentado.

O candidato Guilherme Campelo já havia questionado, por meio de ação judicial, a transparência e a falta de informações sobre o sistema da OAB-DF. Ainda não houve decisão.

Leia mais no Brasília Capital

Deixe um comentário

Rolar para cima