Terceira onda se aproxima, dizem especialistas

BSB Capital 03/06/2021 às 14:59, Atualizado em 03/06/2021 às 16:28

Ela pode chegar ao Brasil em junho – antes do esperado, em julho

Gutemberg Fialho

Especialistas acreditam que uma possível terceira onda da covid-19 pode chegar ao Brasil em junho – antes do esperado, em julho. Apesar de me considerar um “realista esperançoso”, temo que a previsão esteja correta, levando em conta o fato de que uma nova cepa, a indiana (mais transmissível), está, oficialmente, em terras brasileiras.

O cenário é alarmante e, como alertei no passado, pode levar nosso país a um looping infinito da pandemia: sem começo, meio e o tão esperado fim. Nesse contexto, é preciso pontuar algumas questões sobre as quais tenho alertado.

O DF, por exemplo, falha terrivelmente em não promover testagem em massa. Entre as nações mais afetadas pela pandemia, a nossa continua sendo uma das que menos testa sua população. Segundo a plataforma “Nosso Mundo em Dados”, ligada à Universidade de Oxford, 77 países do mundo testam mais do que nós.

Em 2020, no início da pandemia, eu falei da necessidade dos testes em massa para o controle da doença. Além disso, tenho advertido sobre a necessidade de corrermos contra o tempo para ampliar a vacinação, tanto no DF quanto no restante do País. 

É absurdo (e indecente) que, com mais de 467 mil mortes pela doença, tenhamos apenas 21,38% da população brasileira imunizada. Quantas ondas ainda teremos? Outro ponto importante para ser observado, questionado e solucionado, são as fronteiras do Brasil abertas para todos.

A cepa indiana, supostamente, chegou pelo Maranhão. Digo isso porque, se não temos controle de quem entra e quem sai, como culpar os tripulantes do cargueiro no Maranhão pela entrada da variante no Brasil? Agora, até Copa América querem fazer para cá. Inclusive, começando pelo DF, no estádio Mané Garrincha.

O mapeamento genético também deixa a desejar no País. Apesar de termos centros de pesquisa e material humano de excelência, o sequenciamento do genoma não é prioridade das gestões. Outra falha. Porque, por meio dele, é possível traçar estratégias de combate à doença. Ele ajuda a entender o comportamento do vírus em determinados locais e, assim, é possível traçar metas de combate mais efetivas.

Ainda falando da anunciada terceira onda, digo a você, leitor, que, como tudo ainda é novidade, não temos ideia de quanto tempo dura a proteção das vacinas. Há alguns estudos que indicam seis meses. E aí, vamos à outra preocupação: quem foi vacinado em janeiro não estará mais imune ao vírus em julho, no provável pico da terceira onda. É um problema? Com certeza. Tem solução? Sim. Mais vacinas!

Enquanto patinarmos na aquisição de vacinas para a imunização de massa (75% da população), seremos o país cancelado por outras nações. Nos EUA, por exemplo, passageiros que estiveram no Brasil nos últimos 14 dias não estão autorizados a entrar em território norte-americano.

Hoje, um brasileiro só pode entrar nos EUA se não tiver passado pelo Brasil antes. Essa é a regra. E, digo a você: sabe qual é o nome disso? Prevenção. Políticas públicas de saúde. Nas próximas eleições, pense nisso: sem políticas públicas de saúde, estamos à mercê da pandemia. Vote consciente disso. Chegou a hora de dar à saúde o tratamento que ela merece: prioridade.

Deixe um comentário

Rolar para cima