Taguatinga é polo nacional no tráfico de travesti para exploração sexual

BSB Capital26/09/2017 às 15:18, Atualizado em 06/04/2022 às 15:18

Esquema envolvendo grupo criminoso surpreendeu até a Polícia Civil do DF

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) deflagrou nesta terça-feira (26) uma operação para prender uma organização criminosa que atuava no tráfico de pessoas para exploração sexual. O grupo recrutava travestis de outros estados do Brasil para trabalharem com prostituição no DF. O esquema envolvendo um grupo criminoso que atuava no tráfico interestadual de travestis para exploração sexual, em Taguatinga, surpreendeu a Polícia Civil do DF.

Liderada também por travestis, a organização criminosa aliciava as vítimas, que já chegavam ao DF com dívidas a acertar com as cafetinas e trabalhavam em regime de exploração, em condições análogas à escravidão, segundo a polícia.

Batizada de Operação Império, a ação é coordenada pela Delegacia Especial de Repressão aos Crimes por Discriminação Racial, Religiosa e por Orientação Sexual ou contra a Pessoa Idosa e ou com Deficiência (Decrin).

A investigação começou em janeiro a partir de denúncias das vítimas. “Elas eram extorquidas e obrigadas a pagar diárias pelo uso do ponto ou mesmo a morar em imóveis pertencentes aos líderes do grupo”, disse a delegada-chefe adjunta da Decrin, Elisabete Maria de Morais.

A investigação também apurou que procedimentos de estética foram realizados de maneira clandestina nas travestis, como aplicações de silicone industrial nos seios e nádegas, pelas quais eram cobrados até R$ 5 mil.

Até agora, a Operação Império cumpriu 11 mandados de prisão preventiva, 23 de busca e apreensão, inclusive de veículos, além de conduções coercitivas.

Deixe um comentário

Rolar para cima