Supremo decide na quarta-feira se aceita denúncia contra presidente da Câmara, Eduardo Cunha

bsbcapitalPor ,29/02/2016 às 13:54, Atualizado em 09/07/2016 às 3:53

A semana será decisiva para o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). É que está na pauta de quarta-feira (2/3) do Supremo Tribunal Federal (STF) a análise da denúncia contra o parlamentar, que é investigado pela Operação Lava Jato. Pela denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR), o deputado teria recebido propina em um contrato …

Supremo decide na quarta-feira se aceita denúncia contra presidente da Câmara, Eduardo Cunha Leia mais »

FRP-Cunha-Sessao-20151007-4-e1446850464457-840x559
Foto: Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

A semana será decisiva para o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). É que está na pauta de quarta-feira (2/3) do Supremo Tribunal Federal (STF) a análise da denúncia contra o parlamentar, que é investigado pela Operação Lava Jato. Pela denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR), o deputado teria recebido propina em um contrato de navios-sonda da Petrobras.

Se o STF aceitar a denúnica, Cunha passará a ser réu em uma ação penal. Desde de que surgiram as suspeitas, o parlamentar tem negado as acusações da PGR e alega perseguição política por parte de Janot. Já antecipou, inclusive, que, mesmo que o Supremo aceite a denúncia, vai continuar no comando da Casa. Cunha. O deputado ressalta que “todo mundo tem presunção de inocência”.

O caso de Cunha também deverá ser retomado no Conselho de Ética da Câmara, com a possibilidade de que seja votado o relatório preliminar pela continuidade do processo, que pode resultar até na cassação do mandato do parlamentar.

O presidente da Câmara também é alvo de outro inquérito,que investiga se ele é dono de contas na suíça que não foram declaradas à autoridades brasileiras.

Senado
Já no Senado, o Conselho de Ética se reúne também na quarta para decidir o novo relator da representação que apura se Delcídio do Amaral (MS) quebrou o decoro parlamentar. Ele é acusado de ter oferecido dinheiro e um plano de fuga para que o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró não o citasse em depoimento de delação premiada.(Com informações do G1)


Cardozo pode oficilizar hoje sua saída do Ministério da Justiça


Operação O Recebedor apura desvios nas Ferrovias Norte-Sul e Leste-Oeste


Senado aprova projeto que elimina obrigação da Petrobras de explorar o pré-sal


 

Deixe um comentário

Rolar para cima