Supremo autoriza a abertura de mais dois inquéritos contra Cunha

bsbcapitalPor ,26/04/2016 às 8:53, Atualizado em 09/07/2016 às 3:52

O Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou nesta segunda-feira, 25, a abertura de mais dois inquéritos contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), no âmbito das investigações da Operação Lava Jato. Os pedidos foram encaminhados pela Procuradoria-Geral da República no último dia 18 e autorizados pelo ministro Teori Zavascki, responsável pelos processos que apuram os …

Supremo autoriza a abertura de mais dois inquéritos contra Cunha Leia mais »

Entrevistas Diversas
Foto: Jefferson Rudy/ Agência Senado

O Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou nesta segunda-feira, 25, a abertura de mais dois inquéritos contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), no âmbito das investigações da Operação Lava Jato. Os pedidos foram encaminhados pela Procuradoria-Geral da República no último dia 18 e autorizados pelo ministro Teori Zavascki, responsável pelos processos que apuram os desvios na Petrobrás na Corte.

Na sexta-feira, 22, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, havia dito numa palestra na Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, que, “em breve”, o Supremo deveria “considerar mais duas” denúncias contra Cunha. “Não podemos admitir que o terceiro homem na linha sucessória tenha um passado como o dele”, afirmou Janot na ocasião.

Os dois novos inquéritos correm sob segredo de Justiça. Em março, Cunha se tornou o primeiro parlamentar réu em uma ação na Lava Jato, pelo suposto recebimento de propina em contratos de navios-sonda com a Petrobras. Até agora, há cinco processos contra o presidente da Câmara tramitando no Supremo.

Em um deles, são investigadas as contas ilegais mantidas por Cunha na Suíça. A mulher do parlamentar, Cláudia Cruz, e a filha, Danielle Dytz, também são alvo dessa investigação, mas, não terem foro privilegiado, os processos das duas foram enviados à primeira instância, em Curitiba, sob a condução do juiz Sérgio Moro.

Há ainda um procedimento que foi aberto com base nas delações dos empresários Ricardo Pernambuco Júnior e seu pai Ricardo Pernambuco. O inquérito é baseado em indícios de que o peemedebista teria recebido R$ 52 milhões em propina nas obras do Porto Maravilha.

 


Parlamentares brasileiros se retiram de solenidade do Mercosul


Dilma reúne ministros no dia em que comissão do impeachment será eleita


Senado elege nesta segunda comissão do impeachment


Deixe um comentário

Rolar para cima