Senadores ainda veem riscos para Fachin

bsbcapitalPor ,14/05/2015 às 8:39, Atualizado em 14/05/2015 às 8:39

Apesar de terem aprovado o nome de Luiz Fachin na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), senadores ainda ameaçam reprovar sua indicação para o STF (Supremo Tribunal Federal) no plenário da Casa, na próxima terça (19). Parlamentares da cúpula do PMDB ouvidos pela Folha disseram que a ”probabilidade” de rejeição é ”meio a meio”. O presidente …

Senadores ainda veem riscos para Fachin Leia mais »

Luiz-Edson-Fachin-1-1-460x307Apesar de terem aprovado o nome de Luiz Fachin na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), senadores ainda ameaçam reprovar sua indicação para o STF (Supremo Tribunal Federal) no plenário da Casa, na próxima terça (19).

Parlamentares da cúpula do PMDB ouvidos pela Folha disseram que a ”probabilidade” de rejeição é ”meio a meio”. O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) trabalha nos bastidores contra Fachin, como forma de demonstrar força ao governo. Ele nega a movimentação.

“Eu sinceramente não farei nada, absolutamente nada, que arranhe a minha condição de neutralidade”, disse. “As pessoas ora me colocam como aliado e ora como adversário […]. Eu me coloco firmemente pela neutralidade.”

Senadores dizem que as dúvidas sobre Fachin –se é ligado ao PT, por exemplo– foram sanadas na sabatina na CCJ. A avaliação é a de que ele se saiu bem e que foi superada a ”questão técnica”.

O tom moderado de Fachin na CCJ agradou senadores. O nome foi aprovado por 20 a 7.

Segundo peemedebistas, porém, a confirmação no plenário agora é uma ”questão política”: Aprovar o novo ministro para o STF ou derrotar a presidente Dilma Rousseff, a responsável pela indicação?

O raciocínio de alguns é o seguinte: não podem ficar contra o ajuste fiscal de Dilma pois estariam ”contra o Brasil”; mas podem “dar o troco” no Planalto ao rejeitar Fachin. Como a votação é secreta, oposicionistas dizem que senadores não se sentiriam constrangidos a votar contra.

MOTIVAÇÕES

Calheiros entrou em rota de colisão com Dilma desde que seu nome apareceu na lista dos políticos investigados pela Operação Lava Jato.

A maioria da oposição também é contrária à aprovação de Fachin, com exceção do senador Álvaro Dias (PSDB-PR), relator da indicação.

Ministros do STF elogiaram o desempenho de Fachin na sabatina. Apontaram que as resistências à indicação se devem à conjuntura política, não à qualificação dele.

Integrantes do Planalto dizem que o governo já tem a ”sensação de derrota” com a aprovação da PEC da Bengala na Câmara na semana passada, norma que retirou de Dilma a possibilidade de indicar cinco nomes para o STF.

Por isso, afirmam, não é necessário ”sacrificar” o currículo de Luiz Fachin.

Ssaiba mais:


https://www.bsbcapital.com.br/ricardo-pessoa-cita-ex-ministro-edison-lobao-e-outros-cinco-parlamentares-em-delacao-premiada/


https://www.bsbcapital.com.br/topico/politica-2/


Deixe um comentário

Rolar para cima