Se bate como homem, mulher tem que apanhar como homem, diz deputado do DF

BSB Capital07/05/2015 às 16:22, Atualizado em 07/05/2015 às 16:22

Em meio ao debate acalorado que ocorria no plenário da Câmara, na noite desta quarta-feira (6), para aprovação da medida provisória 665, que dispõe de mudanças no seguro-desemprego, o deputado Alberto Fraga (DEM-DF) culpou a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) pela agressão sofrida por ela, pouco antes, pelo deputado Roberto Freire (PPS-PE). “Mulher que participa da política e bate …

Se bate como homem, mulher tem que apanhar como homem, diz deputado do DF Leia mais »

Em meio ao debate acalorado que ocorria no plenário da Câmara, na noite desta quarta-feira (6), para aprovação da medida provisória 665, que dispõe de mudanças no seguro-desemprego, o deputado Alberto Fraga (DEM-DF) culpou a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) pela agressão sofrida por ela, pouco antes, pelo deputado Roberto Freire (PPS-PE).

“Mulher que participa da política e bate como homem tem que apanhar como homem também”, declarou. Fraga é líder da bancada da bala e presidente do DEM no Distrito Federal.

A declaração foi direcionada à Feghali, logo após a deputada repudiar a agressão sofrida por Roberto Freire, que pegou no braço dela enquanto discutia com o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) sobre a medida provisória.

“Fui agredida fisicamente pelo deputado Roberto Freire durante discussão da medida provisória 665 agora pouco. Pegou meu braço com força e o jogou para trás. O deputado Alberto Fraga, NÃO SATISFEITO com a violência flagrada, disse que “quem bate como homem deve apanhar como homem” na minha direção. Fazia menção a mim”, explicou a deputada em sua página no Facebook, logo após o incidente.

Jandira Feghali disse estar assustada com o nível de truculência na Câmara. “Em trinta anos de vida pública jamais passei por tal situação. Jamais fui sujeitada à violência física ou incitação à violência contra mulher”, desabafou.

A parlamentar anunciou que irá acionar judicialmente Alberto Fraga pela apologia à violência contra a mulher. “Não baixarei a cabeça para nenhum machista violento que acha correto destilar seu ódio. A Justiça cuidará disto. E ela, sim, pesará sua mão”, concluiu.


Frente parlamentar apoia mídia regional


Câmara aprova PEC da Bengala


Novo delator empareda Rosso


 

Deixe um comentário

Rolar para cima