Quando a poesia é necessária

mmPor ,12/04/2015 às 9:18, Atualizado em 12/04/2015 às 9:18

Com irritação no globo ocular e a expectativa (medo) de uma cirurgia de catarata, me descuidei e acabei caindo na armadilha da reflexão que reboca dúvidas existenciais: por que uma pessoa que a gente ama (como a iluminada professora de piano de minha netinha Bárbara)  vai embora para sempre no leito de um hospital? Para …

Quando a poesia é necessária Leia mais »

Com irritação no globo ocular e a expectativa (medo) de uma cirurgia de catarata, me descuidei e acabei caindo na armadilha da reflexão que reboca dúvidas existenciais: por que uma pessoa que a gente ama (como a iluminada professora de piano de minha netinha Bárbara)  vai embora para sempre no leito de um hospital? Para atenuar minha tristeza, de repente a saudosa figura do poeta e amigo chamado Newton Rossi (*), vem de longe em meu socorro, justificando o aforismo de que a poesia é necessária, quando releio os dois primeiros versos de seu sugestivo poema:

“Onde está Deus?, pergunta o cientista. / Ninguém o viu jamais. Quem ele é? / Responde, às pressas, o materialista: Deus é somente uma invenção da fé. / Mas o poeta dirá, com a segurança / De quem tem certeza / Eu vejo Deus no riso da criança / No Céu, no Mar, na Luz da Natureza!”

            Ao perceber a minha perplexidade espiritual, minha filha Fernanda, que é espírita praticante, sugeriu:

 Papai, faça uma oração pela alma da professora Rosária!

            Mas orar como, se já perdi a fé?

Aí, mais uma vez, NR entra em cena, para dissipar meu sofrimento, ao relembrar outra poesia (*) de sua autoria, que marcou época:

“Senhor!

            Que estas palavras, que não dizem tudo, / Possam chegar um dia aos teus ouvidos / Chegar como quem chega sem bater à porta… / Sem roupa nova, sem nenhum requinte / E sem mesmo saber como chegou. / Que o ódio seja extraído pela paz / Que haja compreensão e tolerância / Que os povos se entendam como irmãos! / Que no coração da criatura humana, / Pleno de equilíbrio e de harmonia, / Viceje a planta da fraternidade!

            Escuta-as, Senhor!

            São palavras que não foram decoradas / Não foram feitas apenas para os lábios / Mensagem de pureza, que mais é um clamor / Dos que não sabem dizer, dos que não podem falar / Dos que só sabem sofrer, dos que só sabem sentir / Dos que só sabem esperar…  / Esta é a oração dos que não sabem rezar!”

            (*) O poema “Oração para os que não sabem rezar” foi traduzido para 15 idiomas, fazendo sucesso até mesmo na China comunista, o país mais populoso do mundo, com 1,6 bilhão de habitantes, presumivelmente de ateus, sem Deus e que ainda não aprenderam orar.

Deixe um comentário

Rolar para cima