Polícia Federal deflagra a 5ª fase da Operação Acrônimo

bsbcapitalPor ,05/05/2016 às 11:04, Atualizado em 09/07/2016 às 3:52

A Polícia Federal deflagrou, nesta quinta-feira (5/5), a 5ª fase da Operação Acrônimo, que investiga o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), por suspeita de corrupção. A ordem do ministro relator do caso no Superior Tribunal de Justiça (STJ), Herman Benjamin, é para que os delegados e agentes cumpram três mandados judicias. Dentre eles, …

Polícia Federal deflagra a 5ª fase da Operação Acrônimo Leia mais »

RR_Policia-Federal-realiza-buscas-na-Odebrecht-durante-23-etapa-operacao-lava-jato_22022016002
Foto: Rovena Rosa/ Agência Brasil

A Polícia Federal deflagrou, nesta quinta-feira (5/5), a 5ª fase da Operação Acrônimo, que investiga o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), por suspeita de corrupção. A ordem do ministro relator do caso no Superior Tribunal de Justiça (STJ), Herman Benjamin, é para que os delegados e agentes cumpram três mandados judicias. Dentre eles, são dois mandados de busca e apreensão de documentos e mídias nos endereços dos investigados e um de requisição.
O outro mandado é de requisição de documentos no Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (MDIC), em Brasília, que foi dirigido por Pimentel no primeiro mandato de Dilma Rousseff. A ação de hoje corre sob segredo por determinação do STJ.

Como revelou a coluna Brasília-DF, do Correio, na terça-feira, o petista está prestes a ser denunciado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. O empresário Benedito Rodrigues de Oliveira Neto, o Bené, que está preso e iniciou as conversas preliminares com os responsáveis pela Operação para uma delação premiada, deve ser denunciado por corrupção ativa, assim como um representante da montadora de automóveis Caoa Hyundai

 

O governador responde por causa de uma portaria do Ministério do Desenvolvimento para o programa Inovar Auto, que teria beneficiado a empresa. O advogado dele, Eugênio Pacceli, disse que a venda de portaria é absurda, porque a medida atendeu um setor inteiro e não apenas uma empresa. “Em relação a esse fato, não há crime algum”, disse. É por aí que a defesa pretende seguir.

A assessoria da Caoa Hyundai e negou pagar subornos para “auferir benefícios”. A empresa“repele com veemência a versão de uso de relatório de consultoria que não corresponde a efetivo trabalho técnico”. A montadora destacou que ela e mais 21 empresas foram beneficiadas: “não foi concedido à CAOA nenhum benefício especial”. A defesa de Bené não comentou.

 


Ministro do STF afasta Eduardo Cunha do mandato na Câmara


Parecer de Anastasia defende continuidade do processo de impeachment


Relatório de Antonio Anastasia sobre pedido de impeachment será lido hoje


Deixe um comentário

Rolar para cima