Parque Ecológico Veredinha recebe 500 mudas do Cerrado

mmPor ,02/03/2021 às 10:20, Atualizado em 02/03/2021 às 10:21

A meta é semear cinco mil espécies como buriti e jenipapo até o ano que vem

O Parque Ecológico Veredinha recebeu, no último fim de semana, um plantio de 500 mudas nativas do Cerrado. A iniciativa contou com apoio do Instituto Brasília Ambiental, da Administração Regional de Brazlândia, de agentes de unidades de conservação, voluntários e integrantes do Movimento Ecos do Cerrado, responsável pelo projeto Plantio das Águas em homenagem às vítimas da Covid-19.

O objetivo da ação é plantar 5 mil  mudas no Veredinha até o próximo ano | Foto: Divulgação/Brasília Ambiental

O agente de unidades de conservação do Brasília Ambiental, Diego Gordinho, conta que a ação teve o intuito de recuperar uma nascente do Parque. “O plantio foi realizado em uma área onde estamos retirando espécies exóticas invasoras, como o girassol mexicano, além de contribuir para recuperar a nascente que abastece o cartão postal Lago Veredinha e, posteriormente, o Lago Descoberto”, explica.

A vegetação estava sendo prejudicada, visto que a presença de plantas invasoras, além de retirar completamente o espaço das plantas nativas, modifica os ciclos naturais e ameaça a biodiversidade. Desde o ano passado, são realizadas ações para recompor as áreas que precisaram ser alteradas para manutenção do ecossistema.

O ambientalista e idealizador do Movimento Ecos do Cerrado, Edmi Moreira, aponta que este é o segundo plantio no local em menos de três meses. “Fizemos a primeira ação no início de dezembro de 2020 com 750 mudas. Com o último plantio, chegamos a 1.250 espécies do Cerrado plantadas no Parque Veredinha, somando as duas ações”, comemora.

Plantio das Águas 

O objetivo do projeto Plantio das Águas é semear mais de cinco mil mudas de ipês, jatobás, jacarandá, orelha de onça, sangra d`água, buriti, urucum, jenipapo, oiti e cagaita, entre outras, até o próximo ano no Parque  Veredinha.  A ação deste fim de semana foi a décima realizada em todo o DF.

*Com informações do Brasília Ambientalistas

Deixe um comentário

Rolar para cima