Paralisia nas obras de mobilidade urbana é reflexo do pouco investimento

bsbcapitalPor ,25/05/2015 às 8:11, Atualizado em 25/05/2015 às 8:11

Estudo aponta que, dos recursos federais prometidos para empreendimentos destinados a aprimorar o transporte nas cidades, pouco foi efetivamente gasto desde 2002.   O governo prepara um amplo pacote de concessões para obras em ferrovias, rodovias, portos e aeroportos a ser anunciado no início de junho. Também celebrou o “cheque” de US$ 53,3 bilhões recebido …

Paralisia nas obras de mobilidade urbana é reflexo do pouco investimento Leia mais »

congestionamento_400pxEstudo aponta que, dos recursos federais prometidos para empreendimentos destinados a aprimorar o transporte nas cidades, pouco foi efetivamente gasto desde 2002.
 

O governo prepara um amplo pacote de concessões para obras em ferrovias, rodovias, portos e aeroportos a ser anunciado no início de junho. Também celebrou o “cheque” de US$ 53,3 bilhões recebido dos chineses na semana que passou, com o compromisso de que os recursos serão investidos na melhoria da infraestrutura brasileira. No entanto, o Executivo terá que vencer a própria inércia se quiser apresentar resultados. Levantamento feito pelo Correio com o auxílio da organização não governamental Contas Abertas mostra que as gestões petistas são péssimas na hora de investir em mobilidade urbana.

A promessa de que as concessões serão a solução para reverter a crise econômica e tirar o país da paralisia contrasta com declarações da presidente Dilma Rousseff, que, há pouco menos de dois anos, disse que promoveria uma revolução na mobilidade, como resposta às manifestações populares que estremeceram os governantes estaduais, municipais e a gestão federal. No calor da pressão, ela anunciou a liberação de R$ 50 bilhões para obras em estados e municípios. No fim de 2014, alegando que faltavam projetos, a então ministra do Planejamento, Miriam Belchior, declarou que a demanda de governadores e prefeitos chegou a R$ 84 bilhões, mas apenas pouco mais de R$ 13,4 bilhões foram disponibilizados para 23 empreendimentos. Esse valor não incluiu os R$ 11,4 bilhões previstos para obras de mobilidade entre 2002 e 2014. Desse último valor, apenas R$ 2,9 bilhões (25,4%) foram efetivamente pagos.

“Passados dois anos, descobriu-se que a realidade não era bem assim, pois faltaram projetos de engenharia e de viabilidade em número suficiente para usar todo esse dinheiro. Além disso, na hora de executar esses projetos de infraestrutura, os problemas apareceram, pois faltaram engenheiros, arquitetos e analistas para auxiliar tudo isso”, afirmou Jerson Carneiro, professor de direito administrativo e gestão do Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (Ibmec-RJ). “O Brasil tem 5.564 municípios, não há corpo técnico e estrutura para fiscalizar todos”, completou especialista, que também é advogado nas áreas de direito administrativo e infraestrutura.

Leia mais:


Escolas fazem debates com estudantes sobre o combate à corrupção


Fragilidade tem reflexos na CLDF


Deixe um comentário

Rolar para cima