Palmeiras acorda no segundo tempo, evita vexame e goleia Sampaio Corrêa na arena

bsbcapitalPor ,13/05/2015 às 9:29, Atualizado em 13/05/2015 às 9:29

Alviverde levou susto no primeiro tempo, mas deslanchou na etapa final e goleou. A noite desta terça-feira tinha tudo para causar estranheza no otimismo palmeirense. Por decisão do clube, o anel superior do Palestra Itália esteve aberto apenas em pequeno setor para os visitantes. Em campo, quem usava verde e branco era o Sampaio Corrêa, …

Palmeiras acorda no segundo tempo, evita vexame e goleia Sampaio Corrêa na arena Leia mais »

20150513000049705856e

Alviverde levou susto no primeiro tempo, mas deslanchou na etapa final e goleou.

A noite desta terça-feira tinha tudo para causar estranheza no otimismo palmeirense. Por decisão do clube, o anel superior do Palestra Itália esteve aberto apenas em pequeno setor para os visitantes. Em campo, quem usava verde e branco era o Sampaio Corrêa, que saiu vencendo no primeiro tempo. Mas o time alviverde, vestindo azul, acordou no segundo tempo para ganhar de virada por 5 a 1 e evitar um vexame.

Como empatou por 1 a 1 na ida, no Maranhão, o time de Oswaldo de Oliveira se garantiu na terceira fase da Copa do Brasil, quando enfrentará ASA ou Vitória, que começam a se enfrentar nesta quarta-feira, em Arapiraca (AL). Mas a goleada serviu mais como redenção até por erros cometidos nesta noite, quando todos os quase 25 mil ingressos colocados à venda foram comprados.

Em um primeiro tempo sofrível, Vitor Hugo foi humilhado por Pimentinha e Wellington não saltou para evitar o gol de Diones, aos 23. Mas o Palmeiras acordou no segundo tempo: Vitor Hugo empatou, aos quatro, Cristaldo virou, aos dez. A noite passou a ser de Zé Roberto, até quando o veterano errou: concluiu jogada de Dudu para fazer o terceiro, viu Kelvin aproveitando rebote de pênalti que ele perdeu aos 34 e fechou o placar em cabeçada certeira, nos acréscimos.

À espera das datas de seus próximos compromissos pela Copa do Brasil, o Palmeiras volta a entrar em campo às 18h30 (de Brasília) de domingo, quando visita o Joinville pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro. Pela Série B, o Sampaio Corrêa recebe o Macaé às 19h30 de sexta-feira.

O jogo

Após levar quatro gols em dois jogos – sendo que metade deles custou o título paulista ao Palmeiras –, Oswaldo de Oliveira resolveu abrir mão do esquema que tinha apenas Gabriel como volante de origem. Deixou Robinho no banco para Amaral ajudar na marcação. O setor criativo ainda ganhou Zé Roberto na vaga de Valdivia, com Egídio na lateral esquerda e Cristaldo como centroavante.

Mudaram as peças, mas não mudou o posicionamento. Nem a mobilidade quase nula. Facilmente marcado pelos reservas do Atlético no empate de sábado, pelo Brasileiro, o Verdão encarou um Sampaio Corrêa ainda mais ousado. Os meias Válber e Rogério e os atacantes Pimentinha e Robert bloqueavam a saída de bola dos anfitriões.

A alternativa maranhense matava qualquer tentativa palmeirense de ir à frente. Amaral, Wellington e até Egídio passaram vergonha com seus lançamentos direto da defesa para o ataque. Quando Dudu e Rafael Marques resolveram se mexer um pouco, o time deu mais trabalho, assustando o rival em cabeçada de Lucas e cobrança de falta de Egídio. Zé Roberto ainda teve gol anulado por impedimento, aos 16.

Enquanto o Palmeiras tentava se ajeitar na marra, o volante Arlindo Maracanã, técnico interino do Sampaio Corrêa, pediu ao seu time que desse um passo à frente. Sentiu que deveria explorar a desentrosada defesa adversária, já que Vitor Hugo e Wellington nunca nem treinaram juntos e Egídio fazia seu segundo jogo pelo clube, o primeiro como titular.

Além do desentrosamento, apareceram falhas individuais decisivas, e o Sampaio Corrêa abriu o placar. Aos 23 minutos, Pimentinha driblou Vitor Hugo dentro da área quantas vezes ele quis e cruzou para Diones se aproveitar da desconcentração de Wellington, que não saiu do chão e apenas assistiu à cabeçada do volante nas redes de Fernando Prass.

A partir daí, foram pouco mais de 20 minutos de terror para o palmeirense. Gritos de tensão eram ouvidos a cada vez que Pimentinha se aproximava de Vitor Hugo, Dudu não era perdoado em meio aos seus constantes erros e dois torcedores elevaram a voz em discussão nas arquibancadas, fazendo com que policiais fossem chamados para acalmá-los. Os cartões amarelos mostrados a Dudu e Fernando Prass por reclamação após o fim do primeiro tempo simbolizavam o clima.

O intervalo, porém, serviu para Oswaldo acordar seus jogadores. Além de mais ânimo, o time ganhou mobilidade ofensiva com a entrada de Robinho no lugar de Amaral. Aos 30 segundos, o meia roubou a bola e a entregou para Cristaldo fazer o goleiro Ruan, enfim, trabalhar. O argentino voltou a gerar mais uma boa defesa aproveitando cruzamento de Lucas, ainda no primeiro minuto de segundo tempo.

O Sampaio se surpreendeu por, realmente, passar a enfrentar um rival disposto a vencer, e pagou caro. Logo aos quatro minutos, após cobrança de escanteio, Wellington desviou e Vitor Hugo dominou, girando do jeito que deu para empatar. Os dois responsáveis pelo gol rival deram a volta por cima, simbolizada no giro no ar dado por Vitor Hugo em sua comemoração.

Empolgado, o Palmeiras foi para cima, e mostrou que bastava vontade para virar. Aos dez minutos, Lucas correu mais do que qualquer marcador e cruzou fechado, como se fosse um chute. Cristaldo se jogou para desviar de cabeça e colocar o time à frente no placar. o palmeirense, enfim, via o Palmeiras que desejou em campo.

Houve tempo ainda para a redenção de Dudu. Aos 21 minutos, o zagueiro Luiz Otávio recuou mal e o atacante usou sua velocidade para entrar completamente livre na grande área e atrair quatro marcadores até rolar para Zé Roberto chegar de trás, finalizando nas redes, e impondo tranquilidade.

A calma quase foi prejudicial. Aos 30 e 31 minutos, respectivamente, Robert e Luiz Otávio tiveram liberdade para acertar a trave pelo Sampaio Corrêa. Aos 33, porém, o árbitro marcou pênalti sobre Dudu. Zé Roberto bateu mal e o goleiro Ruan espalmou, mas Kelvin, que tinha entrado pouco tempo antes no lugar de Cristaldo, aproveitou o rebote para selar a goleada. O veterano ainda se redimiu com cabeçada certeira para fechar o placar, já nos acréscimos.

PALMEIRAS 5 X 1 SAMPAIO CORRÊA

PALMEIRAS
Fernando Prass; Lucas, Wellington, Vitor Hugo e Egidio; Amaral (Robinho) e Gabriel; Rafael Marques, Zé Roberto e Dudu (Leandro); Cristaldo (Kelvin)
Técnico: Oswaldo de Oliveira


SAMPAIO CORRÊA
Ruan; Gil Mineiro, Edvânio, Luiz Otávio e Raí; Moisés, Diones, Rogério (Edgar) e Válber (Cleitinho); Pimentinha (Dudu) e Robert
Técnico: Arlindo Maracanã


Local:
Estádio Palestra Itália, em São Paulo (SP)
Data: 12 de maio de 2015, terça-feira
Público: 24.443 pagantes
Renda: R$ 921.447,62
Árbitro: Fabio Filipus (PR)
Assistentes: Moisés Aparecido de Souza e Sidmar dos Santos Meurer (ambos do PR)
Cartões amarelos: Dudu e Fernando Prass (Palmeiras); Válber e Gil Mineiro (Sampaio Corrêa)
Gols: Diones, 23min do primeiro tempo; Vitor Hugo, aos quatro, Cristaldo, aos dez, Zé Roberto, aos 21 e aos 47, e Kelvin, aos 34 minutos do segundo tempo

 

Leia Mais:


https://www.bsbcapital.com.br/dunga-convoca-selecao-brasileira-para-a-copa-america/


https://www.bsbcapital.com.br/confira-quem-sao-os-campeoes-estaduais-de-2015/


 

 

 

Deixe um comentário

Rolar para cima