Organização garante: 2016 também terá praia em Brasília

bsbcapitalPor ,31/08/2015 às 10:39, Atualizado em 31/08/2015 às 10:39

Depois de 55 anos, Brasília ganhou uma praia. O clima de litoral, para muitos era a única coisa que faltava na capital. Durante dez finais de semana, as sextas, sábados e domingos do brasiliense ganhou o tempero que faltava – a praia. O sal que falta nas águas do Lago Paranoá, foi compensado por outras …

Organização garante: 2016 também terá praia em Brasília Leia mais »

Esportes praianos como frescobol, eram praticados Na Praia. Foto: Reprodução
Esportes praianos como frescobol, eram praticados Na Praia. Foto: Reprodução

Depois de 55 anos, Brasília ganhou uma praia. O clima de litoral, para muitos era a única coisa que faltava na capital. Durante dez finais de semana, as sextas, sábados e domingos do brasiliense ganhou o tempero que faltava – a praia.

O sal que falta nas águas do Lago Paranoá, foi compensado por outras iguarias tipicamente praianas, como acarajé, tapioca, milho cozinho, biscoito Globo, queijo coalho e muito mais.

Passaram pela “praia”, artistas de vários estilos. Do funk de Mc Marcinho, ao pop de Lulu Santos, festa também não faltou.

Dois meses depois, chega ao fim o sonho que JK não conseguiu realizar. A organização, porém, promete que esta não foi a última vez que os brasilienses foram à praia no próprio Distrito Federal.

11951131_461729407285351_4622567168077852988_n
Domingo era o dia das crianças Na Praia. Foto: Reprodução

Em sua conta no Instagram, o produtor do evento, Carlos Constantino, escreveu que a praia foi “um marco para sociedade que iremos reproduzir por vários anos, sempre melhorando e procurando atender cada vez com mais qualidade, pois Brasília merece. Esperamos todos na praia em 2016”.

A estrutura de 6 mil m², em dois meses, empregou mais de mil funcionários, recebeu mais de 10 mil pessoas por final de semana e mudou a rotina da cidade.

Problemas

A compra de ingressos e as suspeitas de danos ao meio ambiente foram as grandes dificuldades dos produtores no Na Praia. Os organizadores reconheceram os erros, Constantino afirmou que “não podemos dizer que foi tudo perfeito, erramos, corrigimos, crescemos, e hoje agradecemos”.

Com relação ao meio ambiente, depois de uma vistoria do Ministério Público do DF, o Na Praia passou a separar o lixo seco do orgânico, medir a amplitude do som da festa e ordenar o trânsito no local.

Já os problemas com os ingressos aconteceram pela grande procura e uma falha que houve no sistema. A dificuldade foi pontual no show de Duval Lellys Na Praia. Logo depois, a sistema foi reformulado e não teve mais falhas.


Leia mais:


Rap, reggae e street dance agitam festival na Ceilândia


One Direction pode dar um tempo em março, diz jornal


Violência gratuita em festas caríssimas


 

Deixe um comentário

Rolar para cima