Odebrecht descarta delação e faz manifesto

BSB Capital 22/06/2015 às 7:18, Atualizado em 22/06/2015 às 7:18

Após prisão de presidente, empresa optou pelo enfrentamento e divulgou um manifesto pago, em jornais, questionando os fatos usados pelo juiz Sergio Moro na ação da Lava Jato; em trecho, companhia afirma que, no e-mail endereçado à Odebrecht, a palavra “sobrepreço” refere-se ao lucro sobre o valor de cada sonda que estava sendo negociada com …

Odebrecht descarta delação e faz manifesto Leia mais »

candeiasmix_marcelo-odebrechttApós prisão de presidente, empresa optou pelo enfrentamento e divulgou um manifesto pago, em jornais, questionando os fatos usados pelo juiz Sergio Moro na ação da Lava Jato; em trecho, companhia afirma que, no e-mail endereçado à Odebrecht, a palavra “sobrepreço” refere-se ao lucro sobre o valor de cada sonda que estava sendo negociada com a Sete Brasil, e não a superfaturamento; em pedido de habeas corpus dos diretores, apresentado neste domingo, a defesa da Odebrecht também alega constrangimento ilegal, prisão baseada apenas nas palavras de um delator “pródigo em mentiras”, Alberto Youssef, e “equívocos cometidos” por parte de Moro “na análise de documentos essenciais”

Preso na última sexta-feira, o empresário Marcelo Odebrecht descartou, por ora, fazer acordo de delação premiada na operação Lava Jato.
A empresa optou pelo enfrentamento e divulgou nesta segunda (22) um manifesto pago, em jornais, questionando os fatos usados pelo juiz Sergio Moro para decretar as prisões dos empreiteiros.

Em trecho do texto, a companhia afirma que, no e-mail endereçado à Odebrecht, a palavra ‘sobrepreço nada tem a ver com superfaturamento, ou qualquer irregularidade. Representa apenas a remuneração contratual que a empresa propôs à Sete Brasil’.

Neste domingo, os advogados da Odebrecht entraram com habeas corpus no Tribunal Regional Federal da 4ª Região em nome de dois dos diretores da empresa presos na Lava Jato: Cesar Rocha e Rogério Araújo.

Os demais, inclusive do presidente, Marcelo Odebrecht, serão impetrados ao longo da semana.

Segundo a colunista Vera Magalhães, na peça, a defesa alega constrangimento ilegal, prisão baseada apenas nas palavras de um delator “pródigo em mentiras”, Alberto Youssef, e “equívocos cometidos” por parte de Moro “na análise de documentos essenciais”.

Leia mais:


 

Deixe um comentário

Rolar para cima