O medo que afasta investidores do Distrito Federal

orlandopontesPor ,27/02/2016 às 17:45, Atualizado em 09/07/2016 às 3:40

Atrasos na emissão de alvarás e de habite-se afugenta empresas e aumenta o desemprego no DF A insegurança jurídica e o excesso de burocracia no Governo de Brasília são os dois principais motivos apontados por empresários para reduzir os investimentos na capital da República e prospectar investimentos em outras unidades da Federação. Desde o ano …

O medo que afasta investidores do Distrito Federal Leia mais »

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Atrasos na emissão de alvarás e de habite-se afugenta empresas e aumenta o desemprego no DF

A insegurança jurídica e o excesso de burocracia no Governo de Brasília são os dois principais motivos apontados por empresários para reduzir os investimentos na capital da República e prospectar investimentos em outras unidades da Federação. Desde o ano passado, são 13 mil unidades residenciais e comerciais pendentes de Habite-se. Somente 3.400 unidades foram liberadas, sendo 2.160 unidades liberadas na Justiça, segundo a Associação de Empresas do Mercado Imobiliário (Ademi-DF). Outros 120 projetos ainda aguardam aprovação.

Apenas a Brasal Incorporações, uma empresa genuinamente brasiliense, investiu R$ 1,5 bilhão fora do DF nos últimos dois anos – R$ 1 bilhão em Goiânia, a capital de Goiás, e R$ 500 milhões em Uberlândia, no Triângulo Mineiro. Outras grandes incorporadoras também fizeram o caminho de saída de Brasília, como a paulista Tecnisa e a carioca João Fortes Engenharia. Ambas tratam apenas de concluir as obras já lançadas para encerrar suas operações. Ao todo, o mercado local perdeu mais 43 mil vagas na construção civil. E a tendência é de aumento do desemprego nos próximos meses.

Segundo o diretor comercial da Brasal Incorporações, Dilton Junqueira, as dificuldades enfrentadas no mercado local motivaram a busca de novos espaços nas cidades goianas de Anápolis, Rio Verde e Anápolis. “Estamos concentrando esforços nesse novo eixo de desenvolvimento do mercado da construção civil, onde as dificuldades burocráticas são bem menores e o poder aquisitivo da população tem capacidade de absorver empreendimentos de alto nível”, diz o executivo.

A João Fortes Engenharia, que tem obras em Taguatinga e Águas Claras em fase final de acabamento, com mais de 95% já concluídas, não cogita fazer novos lançamentos no DF. No início do mês, segundo denúncia dos operários ligados ao Sindicato dos Trabalhadores na Construção Civil, a empresa chegou a atrasar o pagamento dos salários de cerca de 400 funcionários.

Mas, de acordo com a assessora de imprensa da empresa, Regina Zeitoune, os serviços não foram interrompidos e o prazo de entrega das cerca de 500 unidades está garantido. “A João Fortes concluiu mais de 25 obras em 2015, inclusive no DF, sempre seguindo a legislação e cumprindo suas obrigações, o que demonstra o seu comprometimento em entregar o que promete aos seus clientes”, diz a nota enviada pela assessora para o Brasília Capital.

Janine-Brito-Crédito-Kadydja-Albuquerque1
Foto: Kadydja Albuquerque

Outro exemplo de temor com as dificuldades do mercado local impostas pela burocracia do GDF é relatado pela empresária Janine Brito. Presidente do Grupo Ferragens Pinheiro, ela pretendia construir prédios-garagem para atender à demanda por vagas de estacionamento no centro de Taguatinga e no Setor de Indústrias e Abastecimento (SIA). “Adiamos os dois projetos por não termos garantia de que obteremos a tempo os documentos que assegurem a entrada em funcionamento desses espaços e, assim, conseguir o retorno do investimento”, diz ela, que também é delegada sindical do Sindiatacadista-DF.

O presidente da Associação Comercial e Industrial de Taguatinga (Acit), Justo Magalhães, cita vários empreendimentos na cidade à espera da documentação que deveria ser emitida pelo governo. “Enquanto isso, os adquirentes continuam pagando aluguel, os incorporadores são obrigados a pagar multas e outras taxas por descumprimento do prazo de entrega e o próprio governo perde, por deixar de arrecadar impostos como IPTU, ITBI, ISS e ICMS. Afinal, todo mundo que recebe um apartamento novo sempre faz algum tipo de acabamento ou compra móveis para mobiliar a casa nova, além de precisar registrá-lo em cartório”, aponta.

 

GDF

Procurada pela reportagem do Brasília Capital, a assessoria de imprensa da Secretaria de Gestão do Território e Habitação (Segeth) repassou a pauta para o Palácio do Buriti. A Subchefia de Relações com a Imprensa preferiu não se pronunciar. Os questionamentos eram a respeito das propostas que o GDF teria para solucionar o problema da burocracia e quando isto seria feito.

Enquanto isso, pesquisas da Companhia de Planejamento do DF (Codeplan) registram o crescimento do desemprego na capital da República. E os setores mais atingidos são a construção civil e o comércio, que deveriam ser impulsionados justamente por esses lançamentos imobiliários.

De acordo com a Codeplan, em janeiro de 2015 o índice de desemprego no DF era de 12%. A marca subiu para 15,4% em dezembro do mesmo ano e cresceu para 16,6% em janeiro deste ano. Isto significa que cerca de 270 mil pessoas estão fora do mercado de trabalho na capital da República atualmente. No início de 2015 eram 198 mil.


Empresários pedem desburocratização na construção civil

Custo da construção civil recua em novembro


GDF pretende adotar nova tecnologia de construção civil em creches do DF


 

Deixe um comentário

Rolar para cima