O magnetismo determina a lei de retorno

BSB Capital 25/05/2014 às 9:08, Atualizado em 25/05/2014 às 9:08

Não existe um código penal divino escrito. As leis de Deus são naturais e funcionam naturalmente, como a Lei de Gravidade. O tipo de pensamento cultivado e os sentimentos colocados nas ações determinam o magnetismo que se irradiará de cada um, desencadeando atrações, repulsões e acontecimentos. O pensamento tem cheiro, cor e odor. Antes de …

O magnetismo determina a lei de retorno Leia mais »

Não existe um código penal divino escrito. As leis de Deus são naturais e funcionam naturalmente, como a Lei de Gravidade. O tipo de pensamento cultivado e os sentimentos colocados nas ações determinam o magnetismo que se irradiará de cada um, desencadeando atrações, repulsões e acontecimentos.

O pensamento tem cheiro, cor e odor. Antes de atingir o alvo, ele desce pelo corpo, deixando seu bom ou mau cheiro gerador do magnetismo que caracterizará cada um, determinando acontecimentos.

Uma pessoa que não furta, mas tem desejos de faze-lo, poderá atrair assaltantes para lhe furtar. O que nunca matou, mas pensa em praticar isso contra alguém, poderá atrair assassinos ou pessoas violentas. Uma pessoa amorosa, mas tímida, poderá atrair, mesmo com a timidez, pessoas do mesmo nível. O estudante pobre, com muita boa vontade, certamente atrairá pessoas bondosas que o ajudarão. Eu conheci muitos assim.

Quem, constantemente, atrai acontecimentos e pessoas desagradáveis, deverá avaliar seus pensamentos, sentimentos e atitudes. Não é sem razão que o Mestre Pietro Ubaldi ensinava: “se você não gosta do que recebe, é bom prestar atenção no que emite”.

O que muda o magnetismo e, em consequência, a Lei de Retorno, no seu aspecto negativo, é a melhora dos pensamentos, sentimentos e a prática da caridade.

Se você não gosta de ajudar o próximo, faça-o como um treinamento, e sua vida mudará para melhor. Mudando o hoje, você pode mudar o passado e o magnetismo que carrega.

Mas não espere mágica. É um processo lento, gradual e seguro.

Deixe um comentário

Rolar para cima