MPF pede suspensão dos direitos políticos de Cunha por dez anos

bsbcapitalPor ,13/06/2016 às 19:52, Atualizado em 09/07/2016 às 3:50

A situação do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) se complica a cada dia. A força-tarefa dos procuradores da Operação Lava Jato entrou nesta segunda-feira (13), na Justiça Federal em Curitiba, com ação de improbidade administrativa contra Cunha, a mulher dele, Cláudia Cruz, o ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Jorge Zelada e mais dois investigados. Na …

MPF pede suspensão dos direitos políticos de Cunha por dez anos Leia mais »

LM_Presidente-Camara-Deputados-Eduardo-Cunha_02126042016
Os procuradores pedem que o deputado também seja condenado a devolver R$ 20 milhões. Foto: Lula Marques/Agência PT

A situação do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) se complica a cada dia. A força-tarefa dos procuradores da Operação Lava Jato entrou nesta segunda-feira (13), na Justiça Federal em Curitiba, com ação de improbidade administrativa contra Cunha, a mulher dele, Cláudia Cruz, o ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Jorge Zelada e mais dois investigados.

Na ação, os procuradores pedem que o peemedebista seja condenado a devolver R$ 20 milhões, valores movimentados em contas não declarada no exterior, além da suspensão dos direitos políticos por dez anos. Se condenada, a mulher de Cunha deverá devolver o equivalente a R$ 4,4 milhões por ter sido beneficiada por valores depositados numa das contas.

Para o Ministério Público Federal (MPF), o deputado foi beneficiário de pelo menos US$ 1,5 milhão de propina oriunda de um contrato de exploração da Petrobras no campo de petróleo em Benin, na África, em 2011. Na época, a Diretoria Internacional da estatal, responsável pelo contrato, era chefiada por Jorge Zelada, que está preso por causa das investigações. Para os investigadores, o valor foi recebido pelo parlamentar em contas de trusts e offshores não declaradas na Suíça.

“Era tamanha a intenção do deputado federal Eduardo Cunha em ocultar a titularidade das contas mantidas na Suíça, que, em formulário próprio, solicitou encaminhamento de correspondência da instituição financeira para endereço nos Estados Unidos, sob alegação de que o serviço postal em seu país de origem não seria confiável”, afirmam os procuradores.

A ação por improbidade contra Cunha tramita na Justiça Federal por se tratar de matéria civil, que não tem relação com as imputações penais, que estão no Supremo. De acordo com a Constituição, parlamentares tem foro privilegiado no STF em questões criminais. A ação criminal contra Cunha deverá ser julgada pela Corte na semana que vem.

 

Deixe um comentário

Rolar para cima