Morre nos EUA o espanhol Carlos Pedregal, marqueteiro político da célebre frase “rouba, mas faz”

bsbcapitalPor ,27/01/2016 às 15:33, Atualizado em 09/07/2016 às 3:40

O espanhol Carlos Pedregal, conhecido como o “Bruxo” das campanhas eleitorais, morreu nos Estados Unidos, no domingo (17/1). Sofrendo de uma câncer reincidente no pulmão, o marqueteiro não resistiu e faleceu aos 90 anos, na cidade de Williamstown, em Massachusetts. Pedregal foi apresentado a personagens da política nacional ainda na década de 1950 e, anos …

Morre nos EUA o espanhol Carlos Pedregal, marqueteiro político da célebre frase “rouba, mas faz” Leia mais »

21145570713_cbb0555603_o

O espanhol Carlos Pedregal, conhecido como o “Bruxo” das campanhas eleitorais, morreu nos Estados Unidos, no domingo (17/1). Sofrendo de uma câncer reincidente no pulmão, o marqueteiro não resistiu e faleceu aos 90 anos, na cidade de Williamstown, em Massachusetts.

Pedregal foi apresentado a personagens da política nacional ainda na década de 1950 e, anos mais tarde, tornou-se próximo a políticos da cena candanga. Ele atuou, por exemplo, nas campanhas de Adhemar de Barros (foto), que foi prefeito, governador de São Paulo e concorreu duas vezes à presidência da República (1950 e 1960). Também trabalhou ao lado de Fleury Filho em 1990, quando o político se elegeu governador.

Foi do encontro entre Pedregal e Adhemar que surgiu uma das frases mais francas da política brasileira, o “rouba, mas faz”. De sangue quente e sem vocação para rodeios, Pedregal disse ao então candidato ao governo de São Paulo que não perdesse tempo em passar uma imagem que não lhe pertencia. Era mais jogo trabalhar o eleitorado para enxergar a metade cheia do copo.

Na esfera do DF, Pedregal esteve ao lado de Arruda em algumas de suas candidaturas. “Pedregal foi uma das pessoas mais fascinantes, inteligentes e criativas que conheci”, lembra o jornalista Ademir Malavazi, de quem o Bruxo se tornou grande amigo.

Testemunha de reuniões entre Arruda e Pedregal, o jornalista e ex-assessor do GDF Omézio Pontes relembra o estilo do marqueteiro: “Ele definitivamente era um cara heterodoxo, sem equipe por trás, nem meias palavras. Era ele e as ideias dele”.

Deixe um comentário

Rolar para cima