Mochila de jovem morta com facada no DF foi achada a 500 metros, diz avô

BSB Capital17/06/2016 às 8:42, Atualizado em 09/07/2016 às 3:38

Familiares da estudante de 20 anos morta com uma facada na tarde da última terça-feira (16) dizem ter dúvidas sobre as investigações promovidas pela Polícia Civil do Distrito Federal. O avô de Jéssica Leite, Antônio Leite Neto, afirma que a mochila da jovem foi encontrada a 500 metros do local e pode ter sido removida …

Mochila de jovem morta com facada no DF foi achada a 500 metros, diz avô Leia mais »

Familiares da estudante de 20 anos morta com uma facada na tarde da última terça-feira (16) dizem ter dúvidas sobre as investigações promovidas pela Polícia Civil do Distrito Federal. O avô de Jéssica Leite, Antônio Leite Neto, afirma que a mochila da jovem foi encontrada a 500 metros do local e pode ter sido removida pelo autor do crime.

“Foram três policiais que vieram num carro particular. Eles vieram e pegaram a bolsa aqui, e a menina estava morta, lá. Eu acho que o delegado tinha que identificar, primeiro, qual foi o motivo que essa pessoa com essa bolsa veio parar aqui. Por que não  deixaram lá, do lado da menina? Só quem podia levar era a polícia. Sei lá se, de lá para cá, não botaram alguma coisa dentro?”, diz o avô.

A mãe de Jéssica prestou depoimento à Polícia Civil na tarde desta quinta-feira (16), mas não quis conversar com a imprensa na saída. Após uma série de informações desencontradas divulgadas nos últimos dias, o delegado responsável pelo caso, Flávio Messina, informou que a investigação correrá sob sigilo.

Na quarta (15), a Polícia Civil divulgou que drogas e utensílios usados por traficantes foram encontrados na mochila da estudante. A bolsa tinha porções de maconha, um triturador da droga, cinco microsselos de LSD e uma balança de precisão, mas ainda não era possível saber se os objetos pertenciam à vítima.

Em uma busca na casa de Jéssica, os policiais não encontraram nenhum vestígio de drogas, o que contradiz a tese de que ela teria envolvimento com tráfico ou consumo dos entorpecentes. A avó da estudante, Iraci Leite, afirmou à TV Globo que a jovem era “amiga de todo mundo” e não tinha histórico de rivalidade.

“Todo mundo amava ela. A gente nunca viu isso aqui, não. Tem que investigar. A gente quer que investigue para saber a verdade, a verdade tem que ser falada, né? Vai descobrir quem matou e vai descobrir tudo o que está acontecendo”, afirmou Iraci.

O caso
A Polícia Civil investiga a possibilidade de que a estudante de jornalismo Jéssica Leite conhecia o autor do crime. O crime aconteceu na QNL 23, em Taguatinga, por volta das 16h30 de terça. Após receber uma única facada no peito, a menina agonizou por dez minutos. O sepultamento ocorreu por volta das 17h de quarta.

“A vítima saiu de casa muito antes da aula, que começaria por volta de 19h30. O crime aconteceu em um ponto comunitário, que não fica no caminho da parada onde ela pegaria ônibus para a aula”, disse Messina. “Para eu parar, para desviar a minha rota, eu tenho que ter algum motivo.”

O delegado suspeita que o crime tenha acontecido após o autor e Jéssica terem marcado de se encontrar em um ponto comunitário. A morte, segundo ele, não teria sido premeditada e deve ter ocorrido após uma discussão.

 


Jéssica Leite será enterrada nesta tarde no cemitério Campo da Esperança


“Não é normal ter medo de andar sozinha na rua”, publicou Jéssica Leite há duas semanas


Deixe um comentário

Rolar para cima