Metroviários descartam greve em assembleia na noite de domingo 31/06

bsbcapitalPor ,01/06/2015 às 7:15, Atualizado em 01/06/2015 às 7:15

A categoria decidiu continuar as negociações com o Metrô, o governo e o Ministério Público do Trabalho   Os metroviários do Distrito Federal decidiram, em assembleia na noite deste domingo (31/5), descartar a greve prevista para segunda-feira (1º/6). Durante a reunião, a categoria optou por continuar as negociações com o Metrô, o governo e o …

Metroviários descartam greve em assembleia na noite de domingo 31/06 Leia mais »

20150531223220878838uA categoria decidiu continuar as negociações com o Metrô, o governo e o Ministério Público do Trabalho
 
Os metroviários do Distrito Federal decidiram, em assembleia na noite deste domingo (31/5), descartar a greve prevista para segunda-feira (1º/6). Durante a reunião, a categoria optou por continuar as negociações com o Metrô, o governo e o Ministério Público do Trabalho, como havia sido proposto pelo procurador do MPT, Sebastião Caixeta, em encontro na sexta-feira (29).

Cerca de 300 trabalhadores da categoria participaram da assembleia. O Sindicato dos Metroviários marcou para 8 de junho uma reunião com MPT, Metrô e governo. Em 21 de junho, eles farão nova assembleia para decidir diretrizes, eles ainda não descartam uma futura paralisação.

A reivindicação dos servidores é que a empresa convoque os aprovados no concurso público para o órgão. No último 17, a categoria já havia decidido paralisar as atividades. Em nota, a companhia diz que tem se empenhado junto ao Comitê de Governança do DF para viabilizar as contratações. O que impede as convocações, no entanto, é o limite prudencial definido pela Lei de Responsabilidade Fiscal.

Rodoviários

Mais cedo, na parte da manhã, os rodoviários também realizaram assembleia. Na reunião foi decidido que a categoria entrará de greve em 8 de junho. As exigências são o reajuste de 20% no salário, aumento de 30% no vale-alimentação da cesta básica, além de plano de saúde familiar.

Durante essa semana os motoristas realizaram, na quinta-feira, uma paralisação relâmpago, das 10h30 às 15h. Essa ação deixou 1,2 milhão de pessoas sem transporte público por quatro horas e meia, o que foi o suficiente para os piratas tomarem conta da cidade.

Um reajuste de 8,34% foi proposto pela Associação das Empresas das Transporte Coletivo e Urbano de Brasília. Esse número teria base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). A associação informou ainda que já houve quatro rodadas de negociação com os trabalhadores.

leia mais:


Deixe um comentário

Rolar para cima