Luiz Estevão é condenado por intervenções

bsbcapitalPor ,01/03/2013 às 12:12, Atualizado em 01/03/2013 às 12:12

Polícia Federal é inquilina do imóvel em nome da empresa controlada pelo ex-senador; companhia teria feito construções irregulares em obra Gabriel Castro, de Brasília Luiz Estevão, político brasileiro, em sua casa, maio de 2002 (Márcia Gouthier/Folha Imagem) O ex-senador Luiz Estevão, que continua em liberdade apesar das múltiplas acusações, sofreu mais uma derrota na Justiça. A …

Luiz Estevão é condenado por intervenções Leia mais »

Polícia Federal é inquilina do imóvel em nome da empresa controlada pelo ex-senador; companhia teria feito construções irregulares em obra

Gabriel Castro, de Brasília
Luiz Estevão, político brasileiro, em sua casa, maio de 2002

Luiz Estevão, político brasileiro, em sua casa, maio de 2002 (Márcia Gouthier/Folha Imagem)
O ex-senador Luiz Estevão, que continua em liberdade apesar das múltiplas acusações, sofreu mais uma derrota na Justiça. A 3ª Turma Cível do Tribunal de Justiça do Distrito Federal negou, por unanimidade, um recurso em que a defesa do ex-senador contestava uma condenação sofrida por uma das empresas controladas por ele, a LCC Construções. A companhia foi considerada culpada por ter feito intervenções irregulares em um prédio comercial no bairro do Sudoeste, em Brasília. A mais recente decisão judicial foi tomada nesta quarta-feira: os magistrados negaram um pedido de embargos de declaração apresentado pela defesa de Estevão, mantendo a condenação.
Mas o fato de Estevão continuar descumprindo a lei é só a primeira ironia: quem ocupa o prédio é a Polícia Federal, a mesma que já prendeu o ex-senador duas vezes. O Instituto Chico Mendes, órgão do governo federal, e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) também ocupam espaço no edifício. Ao todo, a LCC – registrada em nome de um filho do ex-parlamentar – recebeu 2,2 milhões de reais de órgãos do governo federal em 2012.
Fonte: Veja Online
Extratos dos Jornais

Deixe um comentário

Rolar para cima