Lições do 1º turno

Elias SantanaPor ,20/10/2018 às 10:40, Atualizado em 19/10/2018 às 16:53

“Cabine” ou “Cabina”? A Justiça Eleitoral acertou na palavra que reserva o espaço para o eleitor votar?

No domingo (7 de outubro), cheguei correndo de Belém do Pará para votar. Essas eleições estão tão acirradas que cada voto faz a diferença, e eu, como cidadão, queria dar a minha contribuição por meio do voto.

Ao chegar à minha seção – que fica na escola em que estudei durante boa parte da minha vida –, algo chamou a minha atenção: cabina de votação. Isso mesmo: se você não reparou, naquela estrutura que isola a urna eletrônica, estava escrito “Justiça Eleitoral”, na parte superior, e “Cabina de Votação”, na parte inferior.

Logicamente, não permiti que a minha curiosidade linguística me desviasse da minha meta – votar com consciência. Mas, ao chegar à minha casa, fui pesquisar sobre o assunto!

Nos meus estudos, descobri algo bastante curioso: a língua portuguesa registra as duas formas – “cabine” e “cabina” – e ambas possuem o mesmo sentido! Portanto, a Justiça Eleitoral acertou! A forma “cabine”, obviamente, é muito mais usada no cotidiano, mas “cabina” também é capaz de expressar o mesmo!

Existem outras palavras na língua portuguesa que apresentam o mesmo fenômeno! “Avalanche” e “avalancha”; “nuance” e “nuança”. É nítido, por conseguinte, que, nessas circunstâncias, o nosso vernáculo prefere as formas terminadas em “e”, e não em “a”.

Diante disso, faço um questionamento: fez bem o TSE ao adotar a forma de menor prestígio entre os falantes da língua portuguesa? Em minha opinião, não. Acredito que, em um dia tão decisivo para o futuro do nosso Brasil, quaisquer prováveis distrações devem ser evitadas.

Querendo ou não, uma palavra incomum é capaz de desviar, mesmo que por poucos segundos, a atenção de algumas pessoas – que, em geral, se questionam: isso está certo?

A língua é semelhante à moda. A uma reunião de trabalho, não é conveniente ir de camisa regata, mas também não é de bom tom aparecer com um smoking. Tanto o desleixo quanto a excessiva elegância, nesse caso, causam um certo estranhamento.

Toda língua é viva, e os falantes é que determinam quais palavras são prestigiadas e quais são arcaicas. Infelizmente, a erudição não consegue resolver os principais problemas do nosso Brasil. Se eles resolvessem, eu desejaria, todos os dias, ser um parnasiano.

Deixe um comentário

Rolar para cima