Justiça condena assassinos de pai morto em frente a escola no Guará

BSB Capital 28/04/2016 às 9:01, Atualizado em 09/07/2016 às 3:39

A Justiça condenou, na noite desta quarta-feira (27/4) o trio responsável pelo latrocínio do servidor do Senado Federal Eli Roberto Chagas, 51 anos. A Vara Criminal considerou os acusados culpados de associação para o crime com arma de fogo, roubo e latrocínio. Eli foi morto durante um assalto em frente ao Colégio Rogacionista na QE …

Justiça condena assassinos de pai morto em frente a escola no Guará Leia mais »

20160427221441893661a

A Justiça condenou, na noite desta quarta-feira (27/4) o trio responsável pelo latrocínio do servidor do Senado Federal Eli Roberto Chagas, 51 anos. A Vara Criminal considerou os acusados culpados de associação para o crime com arma de fogo, roubo e latrocínio. Eli foi morto durante um assalto em frente ao Colégio Rogacionista na QE 38 do Guará 2, em 2 de fevereiro, quando ia buscar um dos filhos para almoçar em casa. Filype Espíndola de Azavedo pegou 34 anos de prisão. Ele abordou Eli, atirou duas vezes contra ele e fugiu com o carro da vítima, um Toyota Corolla 0km. Os dois comparsas de Filype, Milton Espíndola de Azevedo e Márcio Marçal, pegaram 27 anos e quatro meses cada.

Eli esperava pelos filhos, uma menina de 12 anos e um garoto de 15, quando foi surpreendido por Filype. O réu entrou no Toyota Corolla 0km, retirado horas antes da concessionária. Os dois permaneceram no carro por menos de 40s. Antes de fugir com o automóvel, o assaltante disparou quatro vezes. Dois dos tiros atingiram a vítima, que morreu no local. A polícia recuperou o Corolla cinco horas depois, no Setor de Oficinas Sul.

As informações foram divulgadas no twitter oficial do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT). A Justiça ouviu, ao todo, 11 testemunhas. Uma 12ª foi dispensada pelo Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT). Milton foi o primeiro dos três a ser interrogado. Ele negou envolvimento na ação que resultou na morte de Eli e disse que estava em casa, em Ceilândia, no dia do fato. Disse, ainda, que só foi preso porque estava na casa de Márcio junto com Filype quando a polícia chegou.

Ele também é acusado de, com a dupla, assaltar um lava a jato em Valparaíso (GO), o que também negou. O segundo a ser ouvido foi Filype. Por sua vez, o réu assumiu todos os crimes e argumentou que é menor de idade, embora os documentos do acusado indiquem que ele tem 22 anos. Ele contou que usou um Uno pertencente à Márcio para se dirigir aos locais que iria assaltar. Que no lava a jato roubou um Gol que levou para a Candangolândia, e que depois convidou um adolescente e, juntos, foram para o Guará.

Filype disse ainda que matou Eli pois mandou que ele se afastasse e a vítima teria se negado. Márcio, que foi o último interrogado também disse ser inocente. Argumentou que tem um bebê e que o sogro morreu recentemente e, por isso, estava afastado da vida criminosa.


Jovens são escolhidos nesta quinta para tratamento dentário no DF


Com muita música, Bloco Filhos de Zé promove cultura brasileira no Parque da Cidade


Umberto Magnani, ator de ‘Velho Chico’, morre aos 75 anos no Rio


Deixe um comentário

Rolar para cima