Impacto da pauta-bomba é estimado em R$ 283,8 bilhões

BSB Capital 14/09/2015 às 9:13, Atualizado em 14/09/2015 às 9:13

Valor calculado para os próximos cinco anos, entre aumento de despesas e perda de receita, seria o suficiente para cumprir a meta fiscal oficial do ano que vem, de 0,7% do PIB, por sete anos consecutivos; 19 projetos em tramitação no Congresso fazem parte da chamada “pauta-bomba”, comanda pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB); sozinha, …

Impacto da pauta-bomba é estimado em R$ 283,8 bilhões Leia mais »

cunha_chile_primeir_25082015_152

Valor calculado para os próximos cinco anos, entre aumento de despesas e perda de receita, seria o suficiente para cumprir a meta fiscal oficial do ano que vem, de 0,7% do PIB, por sete anos consecutivos; 19 projetos em tramitação no Congresso fazem parte da chamada “pauta-bomba”, comanda pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB); sozinha, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que eleva o piso federal para profissionais do Sistema Único de Saúde (SUS), custaria R$ 270 bilhões em cinco anos

Os 19 projetos em tramitação no Congresso que fazem parte da chamada “pauta-bomba”, comanda pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), podem gerar um impacto de R$ 283,8 bilhões nos próximos cinco anos, entre aumento de despesas e perda de receita.

No momento em que o governo tenta equilibrar as contas, esse valor seria o suficiente para cumprir a meta fiscal oficial do ano que vem, de 0,7% do PIB, por sete anos consecutivos.

Sozinha, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que eleva o piso federal para profissionais do Sistema Único de Saúde (SUS), custaria R$ 270 bilhões em cinco anos.

Outro texto que amplia os limites de faturamento de empresas para serem incluídas no regime especial do Super Simples, ao longo de três anos, vai causar uma perda de R$ 11,4 bilhões.


Leia mais:


 

Sanção dos R$ 352 milhões para Saúde é remarcada para quinta-feira (17)


Dilma deve anunciar corte superior a R$ 20 bilhões


Temer e ministros iniciam visita oficial à Rússia e à Polônia


 

 

Deixe um comentário

Rolar para cima