Governo enviará proposta de reforma da Previdência ao Congresso em julho

BSB Capital 13/06/2016 às 18:17, Atualizado em 13/06/2016 às 18:17

A proposta de reforma da Previdência Social será encaminhada ao Congresso até o final de julho, afirmou o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, que participou nesta segunda-feira (13), no Palácio do Planalto, da segunda rodada de reuniões do governo com representantes de centrais sindicais para tratar do tema. Segundo o ministro, o texto, ainda não …

Governo enviará proposta de reforma da Previdência ao Congresso em julho Leia mais »

Padilha se reuniu com representantes de centrais sindicais no Palácio do Planalto. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

A proposta de reforma da Previdência Social será encaminhada ao Congresso até o final de julho, afirmou o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, que participou nesta segunda-feira (13), no Palácio do Planalto, da segunda rodada de reuniões do governo com representantes de centrais sindicais para tratar do tema.

Segundo o ministro, o texto, ainda não finalizado, deve ser encaminhado ao Legislativo antes da votação, no Senado, do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff. Padilha evitou antecipar pontos que o governo defende, mas adiantou que a proposta seguirá o modelo usado em outros países.

“O que foi proposto [pelas centrais] não cobrirá o buraco. O tamanho do buraco varia do peso que vai ser dado a cada uma das hipóteses de arrecadação que foram propostas. Aí sim, poderemos dizer o que vamos adotar, o que é adotado classicamente em todo o mundo é o que vamos adotar aqui. Vamos ter algumas receitas extraordinárias que advirão das propostas das centrais, mas não se faz mágica nesse tema. O sistema tem que ser autossustentável.”

Erros do passado – No encontro desta segunda-feira, as centrais sindicais sugeriram ao governo “corrigir erros do passado”, como vender imóveis subutilizados e promover programas de refinanciamento de dívidas para diminuir o passivo. As centrais também propuseram aumentar a fiscalização da Previdência, assim como rever desonerações com filantropia e regulamentar jogos de azar.

“[A reforma] não pode ser feita de afogadilho, de um dia para o outro, sem levar em conta o passado. Estamos propondo que o governo corrija os erros do passado, porque existe uma série de problemas a serem corrigidos. Corrigido o passado, vamos ver o buraco que ficou, provavelmente vai ficar um buraco ainda e aí sim discutiremos o que precisará ser feito para tapar o buraco”, disse, após a reunião, o deputado Paulo Pereira da Silva (SD-SP), presidente nacional da Força Sindical.

De acordo com o governo, o déficit da Previdência para este ano é estimado em R$ 136 bilhões. Caso todas as medidas sugeridas pelas centrais fossem adotadas, ainda haveria um déficit de cerca de R$ 50 bilhões, pelos cálculos do governo. Na próxima semana, haverá nova rodada de negociação com sindicalistas.

 

Deixe um comentário

Rolar para cima