França lança novos ataques contra reduto do Estado Islâmico na Síria

bsbcapitalPor ,17/11/2015 às 7:32, Atualizado em 17/11/2015 às 7:32

A França voltou a bombardear nesta terça-feira (17) a cidade de Raqqa, no centro-norte da Síria, considerada a “capital” do Estado Islâmico, anunciou o ministério francês da Defesa. “O Exército francês conduziu pela segunda vez em 24 horas um ataque aéreo contra Daesh [acrônimo em árabe do EI], em Raqqa, na Síria”, indicou o ministério …

França lança novos ataques contra reduto do Estado Islâmico na Síria Leia mais »

francois-hollande_homenagem_vitimas_ataque_terrorista_16112015_0012

A França voltou a bombardear nesta terça-feira (17) a cidade de Raqqa, no centro-norte da Síria, considerada a “capital” do Estado Islâmico, anunciou o ministério francês da Defesa.

“O Exército francês conduziu pela segunda vez em 24 horas um ataque aéreo contra Daesh [acrônimo em árabe do EI], em Raqqa, na Síria”, indicou o ministério em comunicado.

A ofensiva, lançada às 22h30 de segunda-feira em Brasília, contou com a participação de dez caças –Rafale e Mirage 2000– que saíram de bases nos Emirados Árabes e Jordânia e lançaram 16 bombas, missão similar à ocorrida no domingo.

“O ataque, realizado em coordenação com as forças norte-americanas, foi lançado contra locais identificados durante missões de reconhecimento realizadas anteriormente pela França.”

O presidente da França, François Hollande, anunciou na segunda-feira (16) que apresentará na próxima quarta (18) uma proposta para estender por três meses o estado de emergência, em vigor no país desde os ataques em Paris.

“A França está em guerra. Mas não estamos em uma guerra entre civilizações, porque esses assassinos [responsáveis pelos ataques em Paris] não representam nenhuma. Estamos em guerra contra o terrorismo jihadista, que ameaça o mundo inteiro”, disse Hollande nesta segunda-feira (16) em discurso a parlamentares reunidos no Palácio de Versalhes.

Hollande afirmou que buscará emendar a Constituição para melhorar a forma como o governo lida com situações de crise. O mandatário quer que a Legislação do país permita que o governo retire a cidadania francesa de pessoas com dupla nacionalidade que apresentem “riscos de terrorismo”.

Dentre os terroristas responsáveis pelos ataques em Paris, está foragido Salah Abdeslam, 26, cidadão franco-belga. Ele alugou o Volkswagen Polo preto que levou terroristas à casa de shows Bataclan, onde foram mortas 89 pessoas.

Hollande também pediu o aumento do orçamento destinado às forças de segurança e ao Exército francês. O presidente disse que a França irá “intensificar suas operações na Síria”, após os 20 ataques aéreos contra a milícia radical Estado Islâmico (EI) realizados domingo à noite. “Não haverá hesitação e nenhuma trégua.”

“Eu considero que, nessas circunstâncias, o pacto de segurança prevalece sobre o pacto de estabilidade”, disse o presidente, referindo-se aos limites orçamentários estabelecidos para os países da zona do euro.

Hollande também anunciou que irá pedir ao Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas uma resolução destacando “a vontade comum de lutar contra o terrorismo.”

O líder francês disse que deve encontrar nos próximos dias os presidentes de Estados Unidos, Barack Obama, e Rússia, Vladimir Putin, para “unir forças” e propor a formação de uma grande coalizão internacional para combater o EI.

Atualmente, EUA e Rússia realizam bombardeios contra o EI na Síria de forma independente. Desacordos entre as duas principais potências militares com relação ao lugar do ditador Bashar al-Assad no futuro Síria representam o principal entrave nas negociações internacionais para pôr fim à guerra civil no país árabe. O conflito abriu espaço para que o EI aumentasse sua influência na região.


Leia mais:


 

Lama de Mariana (MG) avança e provoca matança de peixes


Ataques em Paris: veja quem são os suspeitos da série de atentados


Parisienses enfrentam o medo ao homenagear vítimas dos ataques


 

 

Deixe um comentário

Rolar para cima