Feira da Uva agita Planaltina

bsbcapitalPor , Ary Filgueira (*)22/07/2021 às 9:56, Atualizado em 27/07/2021 às 10:10

Primeira edição será de 30 de julho a 8 de agosto, com degustação de vinhos, sucos, geleias e doces produzidos no DF

Depois das badaladas festas do Morango e da Goiaba, ambas em Brazlândia, agora é a vez e hora da uva emprestar o nome e sabor para uma exposição de produtos derivados do alimento. A Feira da Uva promete constar no calendário de eventos do Distrito Federal daqui para frente. A primeira edição ocorrerá em Planaltina, de 30 de julho a 8 de agosto.

Amantes da uva e aos não tão amantes assim – se é que exista alguém que não aprecie sem moderação esse alimento rico em vitaminas – terão uma oportunidade de conhecer produtos derivados da fruta, como suco, geleias, doces, licores e, é claro, vinhos.

Pouca gente sabe, mas o DF é um terreno fértil para o cultivo da uva. Não à toa, a safra de 2020 foi de 230 toneladas. Atualmente, o ‘quadradinho’ conta com plantações de uva que ultrapassam os 70 hectares. Parte da colheita é distribuídas a supermercados, feiras livres e caminhões que comercializam o produto em beira de estrada.

A parte que sobra, devido a alguns fatores de fora das colheitas, como a instabilidade econômica que atinge o país, ficará no DF e será comercializada na Feira da Uva. Será o primeiro evento de grande porte como a presença de público.

Quem se interessar em participar deverá obedecer aos protocolos de segurança contra a covid-19, como uso de álcool em gel e máscara, além de se submeter à aferição de temperatura e manter distanciamento.

Oficinas para distinguir a doçura do vinho

O produtor-executivo, João Paulo Araújo, explica sobre protocolos de segurança contra a covid-19 que serão adotados no evento. Foto: Antônio Sabino

A Feira da Uva é organizada pela Associação Cresce-DF em parceria com a Associação Brasileira de Sommeliers (ABS) do DF. Esta instituição vai promover oficinas e degustação de vinhos durante o evento. O participante vai distinguir, por exemplo, a doçura de um vinho e outro e a diferença entre vinho fino e vinho feito com uva americana.

Segundo o produtor-executivo do evento, João Paulo Araújo, o número de pessoas que vai acessar a feira será limitado por dia, para mitigar aglomerações. Haverá duas passagens: de entrada e saída de público. “Justamente para evitar ao máximo a aglomeração”, afirma Araújo.

Para ele, Brasília se destaca no cultivo da uva. O clima da cidade, apesar de comparado com o do deserto, principalmente nesta época do ano, favorece o plantio de parreiras. “O fato de ser quente durante o dia e frio à noite é favorável as plantações. Antigamente, o Sul do País era o celeiro. Mas Brasília desponta agora no segmento, por ter clima semelhante ao da região Sul”, explica.

Brincadeira de bar levada a sério

Dono de uma propriedade de quatro hectares em Mestre D’Armas (Planaltina), Valdecir Grecco, 55 anos, resolveu arriscar tudo na plantação de uva, confiando no fator clima. Hoje ele chega a colher safras de aproximadamente 15 toneladas em seis meses. Além de vender o produto em sua forma natural, ele também fabrica vinho e suco artesanais.

Natural do Espírito Santo, ele está em Brasília desde 1991. Mas só se enveredou para a plantação de uva graças a uma brincadeira num bar. “Eu estava tomando cerveja e um colega me ofereceu umas mudas de semente de uva para plantar. Eu percebi que era brincadeira, mas levei a sério e resolvi plantar”, relembra Grecco.

E lá se foram 12 anos dessa brincadeira. Até então, na sua propriedade só havia espaço para hortaliças. Hoje ele possui um dos maiores viveiros de uva da região e do DF e uma vinícola dentro da propriedade. Com a ajuda de um maquinário que custou R$ 65 mil há oito anos, ele chega a produzir mais de três mil garrafas de vinho tinto e suave.

Qué vin? Vem!

A “fábrica” de Grecco tem hoje apenas oito funcionários. Já chegou a empregar 25 pessoas. Assim como boa parte dos setores da economia, o dele também foi atingido pela crise econômica, o que o obrigou a reduzir o quadro. Grecco comercializa também suco, que produz na chácara. Chega a produzir também três mil garrafas.

Para ele, a feira será uma boa oportunidade de desaguar essa safra de vinho e suco produzidos nos últimos seis meses. “Estou muito empolgado com essa oportunidade. A feira será uma vitrine para vender nossa safra”, frisa o pequeno produtor.

Depois desse relato genuinamente brasiliense, o convite para ir à primeira edição da Feira da Uva está feito. Então, qué vin? Vem! Como se diz por aí nos estados onde se produzem vinho.

Serviço:

Quem quiser expor no evento precisa se inscrever até 27 de julho pelo WhatsApp no número 61-98424-8537. O espaço está aberto para produtores e expositores que tenham produtos relacionados à uva. Interessados em adquirir produtos ou conhecer a vinícola de Valdecir Grecco podem entrar em contato pelo 61-98424-0250.

Deixe um comentário

Rolar para cima