Exposição Brasilidade Pós-Modernidade vai até domingo (5) no CCBB

BSB Capital 31/05/2022 às 14:30, Atualizado em 31/05/2022 às 14:42

Mostra celebra o centenário da Semana de Arte Moderna de 1922. São obras de 51 artistas de diversas gerações; cujos trabalhos apresentados remetem ao legado da ousadia artística cultural trazida pelo Modernismo

Foto: Jaime Acioli / obra: Beatriz Milhazes

Da Redação

Até o próximo domingo (5) estará em cartaz a exposição Brasilidade Pós-Modernismo no CCBB Brasília, que celebra o centenário da Semana de Arte Moderna de 1922. O objetivo da mostra também é “lançar luz aos traços, remanescências e conquistas que o movimento trouxe, no decorrer dos últimos 100 anos, às artes plásticas do Brasil e refletir, a partir da atualidade, sobre um processo de rever e reparar este contexto”, conforme é apresentada pelo espaço cultural.

A curadoria é de Tereza Arruda e traz as diversas características da arte contemporânea brasileira, que em parte, tem sua existência ligada ao legado da ousadia artística cultural trazida pelo Modernismo. Particularidades que poderão ser vistas nas obras dos 51 artistas de diversas gerações que integram a exposição, tais como Adriana Varejão, Anna Bella Geiger, Arnaldo Antunes, Cildo Meireles, Daniel Lie, Ernesto Neto, Ge Viana, Jaider Esbell, Rosana Paulino e Tunga.

Foto: Jaime Acioli

A exposição é organizada em seis núcleos temáticos: Liberdade; Futuro; Identidade; Natureza; Estética; e Poesia. São apresentados por meio de pinturas, desenhos, fotografias, esculturas, instalações e novas mídias. Segundo Tereza Arruda, através desse conjunto plural, “a Brasilidade se mostra diversificada e miscigenada, regional e cosmopolita, popular e erudita, folclórica e urbana“.

A curadora explica que “esta exposição não é idealizada com o olhar histórico, mas sim focada na atualidade com obras produzidas a partir de meados da década de 1960 até o dia de hoje, sendo algumas inéditas, ou seja, já com um distanciamento histórico dos primórdios da modernidade brasileira”.

Foto: Reprodução/ obra de Ge Viana

Não é uma mostra elaborada como um ponto final, mas sim como um ponto de partida, assim como foi a Semana de Arte Moderna de 1922, para uma discussão inovadora a atender a demanda de nosso tempo, conscientes do percurso futuro, guiados por protagonistas criadores”, conclui Tereza Arruda.

Serviço:

– Classificação livre

– CCBB Brasília: SCES, Trecho 2, Galerias 1, 2 e Pavilhão de Vidro

– Terça a domingo, de 9h às 20h

– Entrada gratuita. Retire seu ingresso na bilheteria ou no site da Eventim.

– Atenção: Até 6 de junho, o CCBB Brasília estará aberto para visitação aos sábados e domingos apenas para quem tiver ingressos para os shows do festival Rock Brasil 40 Anos.

Com informações do site do CCBB Brasília.

Leia mais em Brasília Capital

Deixe um comentário

Rolar para cima