Ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos morre em São Paulo, aos 79 anos

bsbcapitalPor ,20/11/2014 às 10:54, Atualizado em 20/11/2014 às 10:54

O advogado e ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos, de 79 anos, morreu no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, no início da manhã desta quinta-feira (20/11). A informação foi confirmada pela assessoria de imprensa do hospital. Bastos havia sido internado na terça-feira (18/11) devido à piora de uma doença crônica no pulmão. Segundo o último …

Ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos morre em São Paulo, aos 79 anos Leia mais »

O advogado e ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos, de 79 anos, morreu no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, no início da manhã desta quinta-feira (20/11). A informação foi confirmada pela assessoria de imprensa do hospital. Bastos havia sido internado na terça-feira (18/11) devido à piora de uma doença crônica no pulmão. Segundo o último boletim médico, ele passou por um tratamento de descompensação de fibrose pulmonar. A doença ataca o tecido pulmonar e piora a mecânica respiratória ao curso de anos.

Formado pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, na turma de 1958, Márcio Thomaz Bastos foi presidente da OAB-SP entre 1983 e 1985 e do Conselho Federal da OAB (1987 a 1989) antes de virar ministro da Justiça (2003 a 2007), durante o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. É considerado um dos principais criminalistas do país. Mesmo após deixar o ministério, continuou em evidência no meio jurídico, por atuar em casos de grande repercussão nacional. Thomaz Bastos atuou na acusação dos assassinos do ambientalista Chico Mendes, do cantor Lindomar Castilho e do jornalista Pimenta Neves.

Ele também participou do julgamento da Ação Penal 470, o mensalão, no qual defendeu ex-dirigentes do Banco Rural, como José Roberto Salgado, condenado a uma pena de 14 anos e quatro meses de prisão por formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta de instituição financeira e evasão de divisas. O advogado atuou ainda na defesa do médico Roger Abdelmassih, condenado a 278 anos de prisão por 48 ataques sexuais a 37 vítimas.

Nascido no dia 30 de julho de 1935, em Cruzeiro, interior de São Paulo, era casado com Maria Leonor de Castro Bastos. Ele deixa uma filha, Marcela. Ainda não há informações sobre o velório e enterro do ex-ministro.

Deixe um comentário

Rolar para cima