Eu te quero, mas não te obrigo

bsbcapitalPor ,31/05/2015 às 16:04, Atualizado em 31/05/2015 às 16:04

E por falar de amor, sem dor. A questão não é você querer ou não querer ficar comigo, porque você não é o primeiro capítulo da minha vida, e eu sei que o livro é longo e eu nunca tive medo de virar as páginas. Não estou sofrendo por desamor, como se você não me …

Eu te quero, mas não te obrigo Leia mais »

E por falar de amor, sem dor.

A questão não é você querer ou não querer ficar comigo, porque você não é o primeiro capítulo da minha vida, e eu sei que o livro é longo e eu nunca tive medo de virar as páginas. Não estou sofrendo por desamor, como se você não me correspondesse à intenção e eu estivesse aqui implorando que você ficasse comigo.

Não é uma questão de sentimentos. Porque eu gosto de você, sim, mas sempre vivi sobrevivendo as coisas que deixaram ausências que pesam. Sempre passei pelas melhores histórias que não aconteceram. Não é nossa culpa não termos dado certo. Não é culpa minha se a única coisa que bateu foi a vontade, a saudade. Se fomos química, sem presença física.

O que me deixa de verdade magoado é a sua falta de transparência, de certeza, de posicionamento. De te ver com a porta entreaberta, sem dizer se vai ou se me leva. É te ver chegando, sem dizer se fica. O que me fere não é você me dar às costas, mas é nunca acenar se está partindo. É saber que você não sabe me olhar como um cara que não quer te prender, mas que está à sua frente querendo ficar contigo.

O que perturba é a ausência de espaço e não a tua falta de tempo comigo. Há uma diferença enorme entre estar ocupado e não estar junto. E o que dá agonia é você não perceber isso. A questão é que você nunca me disse não e que teu sim é dito de cima do muro, sem saber que amar é pular escolhendo seu próprio abismo.

A questão é que as suas verdades são mensagens dizendo coisas do tipo “eu tenho medo de me envolver” ou “eu não queria te fazer mal” e esses discursos que não me convencem. Primeiro, porque eu não estou implorando amor; segundo, porque não acredito em limitações emocionais diversas da que a gente quer viver. Você faz por nós o que escolhe fazer. O amor é um acaso que nos aproxima. Amar é a gente escolher permanecer.

Entenda, meu bem, que eu estou aqui por vontade e não por depender de você me perceber. Não me trate como se eu fosse um garoto de doze anos sofrendo porque a garota mais bonita da classe não gosta dele. Não estou mendigando amor, e não estou pedindo que o teu sentimento seja caridoso para comigo.

A questão é que eu preciso dizer que eu te quero, mas que não vou te impedir de ir embora se você escolher outro caminho. Eu só não quero estar com o dedo na fresta se você bater a porta. Eu só prefiro que você seja silêncio, a uma voz distante mesmo estando ao meu lado. Eu só prefiro que seja adeus, a um ‘eu não sei se vou ficar contigo’.

Só não quero mais a tua metade na passagem da porta entreaberta, impedindo que a vida chegue inteira para ficar comigo.

 

Leia Mais:

Estou aqui, amor
Eu liguei, não foi enganoAinda não, mas há

Deixe um comentário

Rolar para cima