Espancados no Estádio Nacional Mané Garrincha permanecem hospitalizados

bsbcapitalPor ,05/06/2016 às 10:12, Atualizado em 09/07/2016 às 3:45

Os homens espancados no Estádio Nacional Mané Garrincha após uma briga entre as torcidas do Flamengo e do Palmeiras continuam internados no Hospital de Base do DF. A unidade de saúde havia informado que um deles teria morrido. Contudo, a vítima permanece em estado grave, com lesões cervicais e segue em ventilação mecânica. O homem, …

Espancados no Estádio Nacional Mané Garrincha permanecem hospitalizados Leia mais »

2wpe38rjxk_8qtjngbk9s_file
Confusão entre torcedores marcou o jogo em Brasília FELIPE COSTA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Os homens espancados no Estádio Nacional Mané Garrincha após uma briga entre as torcidas do Flamengo e do Palmeiras continuam internados no Hospital de Base do DF. A unidade de saúde havia informado que um deles teria morrido. Contudo, a vítima permanece em estado grave, com lesões cervicais e segue em ventilação mecânica.

O homem, que que ainda não foi identificado, já saiu do Estádio Nacional em estado grave. Ela foi conduzida de ambulância. Segundo a Polícia Civil, torcedores usaram extintores de incêndio para agredir as vítimas, que não são brasilienses. A torcida organizada do Palmeiras, a Mancha Alviverde, furou o cordão de isolamento e começou a pancadaria próximo às organizadas do Flamengo.

Outros casos

Em 11 de dezembro de 2008, o são-paulino Nilton César de Jesus morreu no Hospital de Base. Ele havia sido baleado dias antes durante jogo do São Paulo no estádio do Bezerrão, no Gama, atingido por um policial militar.

Em 28 de novembro de 2015, um comerciante de 44 anos morreu após ter uma parada cardiorrespiratória durante uma partida de futebol no Mané Garrincha. Ele jogava como goleiro em um amistoso no estádio durante a Feira Internacional das Embaixadas.

 


Briga de torcidas marca jogo entre Flamengo e Palmeiras em Brasília


Morre Muhammad Ali, a lenda


Jogador do Boavista é suspeito de participar de estupro coletivo no Rio


Deixe um comentário

Rolar para cima