Empresas pressionam governo por reajuste das tarifas

gabrielpontesPor ,23/06/2015 às 11:19, Atualizado em 23/06/2015 às 11:19

Empresas pressionam para cobrir o custo do reajuste de 10% concedido aos rodoviários após a greve de três dias no início de junho. DFTrans afirma que não há previsão de aumento. Setembro é o limite Empresas do sistema de transporte público pressionam o Governo do Distrito Federal por aumento das tarifas de ônibus. A greve …

Empresas pressionam governo por reajuste das tarifas Leia mais »

Empresas pressionam para cobrir o custo do reajuste de 10% concedido aos rodoviários após a greve de três dias no início de junho. DFTrans afirma que não há previsão de aumento. Setembro é o limite

Empresas do sistema de transporte público pressionam o Governo do Distrito Federal por aumento das tarifas de ônibus. A greve que durou três dias e terminou no último dia 10 de junho gerou um aumento na despesa dos empresários, que dizem não ter condições de arcar com estes custos por muito tempo.  O DFTrans, por sua vez, afirma que não há previsão para o aumento da passagem para o usuário.

agência brasília (2)“Este aumento de 10% [concedido após a greve] não é só para os motoristas e cobradores. Executivos, assessores profissionais de todas as áreas também tiveram reajuste no salário, no tíquete alimentação e na cesta básica. O custo aumentou de maneira significativa”, disse uma fonte ligada a uma das empresas concessionárias.

Pela reivindicação das empresas, a nova tabela de preços teria as passagens de R$ 2 subindo para R$ 3 (50%); de R$ 3 para R$ 4 (33%); de R$ 1,50 para R$ 1,80 (20%); e de R$ 2,50 para R$ 3 (20%). A saída para não aumentar o preço das tarifas seria a revisão do subsídio do governo às empresas, a chamada tarifa técnica (leia Saiba Mais).

Fontes ligadas aos empresários do transporte público afirmam que até setembro, caso o governo não aumente o subsídio às empresas, as passagens terão que subir. “Se o governo acha o valor da tarifa muito alto e não quer transferir o ônus para o usuário, então vai ter que pagar uma parte”, disse.

O DFTrans contrapõe a reivindicação lembrando que a data-base do reajuste dos rodoviários é em setembro. Por isso o acordo entre empregados e patrões não tem impacto algum na tarifa técnica vigente até 14 de setembro. “Após essa data, a tarifa é reajustada de acordo com cálculo previsto no edital de licitação”, disse o órgão, em nota.

A revisão dos valores da tarifa técnica está previsto no contrato de concessão e visa garantir o equilíbrio financeiro do serviço. Nesse caso, o valor pode sofrer acréscimo ou corte. “O contrato não pode ser prejudicial para nenhuma das duas partes; se o valor estiver defasado, é preciso aumentá-lo. Porém, se os custos diminuírem, ele pode ser reduzido para que o governo não fique no prejuízo”, explica o secretário de Mobilidade Urbana, Carlos Tomé.

agência brasília (3)Em março deste ano, o governo aumentou o valor do subsídio repassado às empresas Viação Pioneira e Marechal, que atendem, respectivamente, 300 mil e 200 mil usuários. O governo prometeu que, em abril, reavaliaria também o valor pago a outras três concessionárias – Piracicabana, São José e HP-ITA –, mas até o momento nenhuma tratativa foi iniciada. Além dessas, a Urbi também cobra a revisão do aporte governamental.

O reajuste das demais empresas depende, segundo o DFTrans, da “análise de variáveis e parâmetros que ainda estão sendo calculados, e devem ser verificados em conjunto com as empresas, para não resultar em uma revisão indevidamente onerosa para um sistema já deficitário”.

A Secretaria de Mobilidade Urbana afirmou, por meio de sua assessoria, que “enquanto não houver melhora dos serviços prestados à população  não haverá reajuste de passagens”. O reajuste deve ocorrer apenas quando houver a “reformulação da programação operacional,  com o desenvolvimento de várias atividades intermediárias, tais como: recadastramento de validadores, reprogramação e racionalização de linhas e contratação de projeto piloto de sistema de bilhetagem automática”.

 

Relembre

Durante a campanha eleitoral de 2014, um dos assuntos mais discutidos foi a mobilidade urbana. Na reta final do segundo turno, o então adversário de Rollemberg, Jofran Frejat (PR), lançou a promessa de implantar, se eleito, a chamada “Tarifa Frejat”. Consistia em adotar a tarifa única de R$ 1 em todas as linhas de ônibus do DF.

 

Saiba Mais

O cálculo da tarifa técnica é feito com base nos custos operacionais da empresa divididos pelos passageiros que passam pela catraca. São levados em consideração, por exemplo, os gastos com combustível, manutenção da frota e impostos. O subsídio complementa as despesas operacionais das empresas e também as passagens de pessoas que com deficiência e os estudantes, que têm gratuidade garantida por lei. São 220 mil beneficiários do Passe Livre Estudantil e 58 mil pessoas com deficiência. O governo arca com cerca de 45% do custo do transporte público no DF.

 


Leia Mais

e02e6d829c18a27d0a348f41beb8627b_M


Rollemberg recebe José Serra no Buriti


Doyle aposta que adversários de Rollemberg vão eleger novos alvos


Integrantes do PDT se reúnem com Rollemberg para retomar diálogo


 

 

 

Deixe um comentário

Rolar para cima