Em gravação, Jucá sugere ‘pacto’ para barrar a Lava Jato, diz jornal

bsbcapitalPor ,23/05/2016 às 10:03, Atualizado em 09/07/2016 às 3:51

Gravações obtidas pelo jornal “Folha de S.Paulo” mostram o novo ministro do Planejamento, Romero Jucá, senador licenciado do PMDB, sugerindo ao ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado um “pacto” para tentar deter a Operação Lava Jato. As conversas ocorreram em março deste ano, mas as datas dos diálogos não foram divulgadas. Romero Jucá confirmou à TV …

Em gravação, Jucá sugere ‘pacto’ para barrar a Lava Jato, diz jornal Leia mais »

abr110413ant028

Gravações obtidas pelo jornal “Folha de S.Paulo” mostram o novo ministro do Planejamento, Romero Jucá, senador licenciado do PMDB, sugerindo ao ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado um “pacto” para tentar deter a Operação Lava Jato. As conversas ocorreram em março deste ano, mas as datas dos diálogos não foram divulgadas.

Romero Jucá confirmou à TV Globo que teve a conversa com o ex-presidente da Transpetro. Segundo o ministro, Sérgio Machado o procurou em sua casa.

Jucá é alvo de dois inquéritos no Supremo Tribunal Federal que investigam suspeita de que ele recebeu propina do esquema de corrupção que atuava na Petrobras.

Já Sérgio Machado foi citado nas delações premiadas do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa e do senador cassado Delcício do Amaral (sem partido-MS).

O Ministério Público Federal apurou que o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), teria recebido propina de contratos da Transpetro na época em que a subsidiária da Petrobras era presidida por Sérgio Machado, indicado pelo PMDB para ocupar o cargo de alto escalão.

De acordo com a reportagem da “Folha”, Romero Jucá sugeriu nas gravações com Sérgio Machado que uma “mudança” no governo federal resultaria em um pacto para “estancar a sangria” representada pela Lava Jato. O peemedebista foi um dos dos principais articuladores do impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Em uma das conversas, segundo o jornal, Machado diz ao ministro, que à época era senador, que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, queria pegar Jucá e outros parlamentares do PMDB.

“O Janot está a fim de pegar vocês. E acha que eu sou o caminho. Ele acha que sou o caixa de vocês”, ressalta Sérgio Machado.

Ainda conforme o jornal, o ex-presidente da Transpetro fez uma ameaça velada e pediu que fosse montada uma estrutura para protegê-lo.

Em outro trecho, de acordo com a “Folha de S.Paulo”, Sérgio Machado voltou a dizer: “Então, eu estou preocupado com o quê? Comigo e com vocês. A gente tem que encontrar uma saída”.

O ex-dirigente da Transpetro disse que novas delações na Lava Jato não deixariam “pedra sobre pedra”. E Jucá concordou que o caso de Sérgio Machado não poderia ficar nas mãos do juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância.

Na gravação, ainda segundo o jornal, Jucá acrescentou que um eventual governo Michel Temer deveria construir um pacto nacional com o Supremo Tribunal Federal.

E Machado disse que “aí parava tudo”. E Jucá repondeu que, a respeito das investigações, “delimitava onde está”.

Juca disse que havia mantido conversas com ministros do Supremo, aos quais não nominou. O ministro do Planejamento ressaltou ao ex-dirigente da Transpetro que são “poucos” os magistrados da Suprema Corte aos quais ele não tem acesso. O ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no STF, seria um desses ministros, destacou o peemedebista, que acrescentou qeu Teori é “um cara fechado.

O que disseram os suspeitos
À TV Globo, Jucá disse que os diálogos não trazem novidade em relação ao posicionamento dele sobre a crise política e econômica do país. Segundo o ministro do Planejamento, o “pacto” a que ele se refere seria para destravar a crise, e não um acordo para barrar a Operação Lava Jato.

Ele também afirmou que sempre se manifestou no sentido de que o país não podia ficar refém da operação. Ainda de acordo com o peemedebista, o termo “delimitar” usado na conversa não significa “barrar” a Lava Jato, mas definir quem é culpado, o crime, e a punição de cada acusado.

Jucá ressaltou que, em nenhum momento, ofereceu ajuda ou prometeu a Sérgio Machado que iria interferir nas investigações. Por fim, ele disse que “apoia a Operação Lava Jato.

Até a última atualização desta reportagem, o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado não havia sido localizado.

Aécio Neves
A reportagem da “Folha de S.Paulo” mostra que, durante a conversa com Sérgio Machado, o ministro do Planejamento disse que “caiu a ficha de líderes do PSDB” sobre o potencial de danos que a Operação Lava Jato pode causar em vários partidos.

Conforme o jornal, Jucá diz ao interlocutor que está “todo mundo na bandeja para ser comido”.

E, em resposta, Machado pondera que o primeiro a ser comido vai ser o presidente nacional do PSDB e senador Aécio Neves (MG).

À TV Globo, Aécio disse desconhecer e estranhar os termos da conversa entre Jucá e Sérgio Machado.

 


Polícia Federal deflagra a 29ª etapa da Lava Jato no DF e em dois estados


Ex-presidente da Novacap, defende menos exigências em licitações para aumentar o número de empresas em disputa


Licença-prêmio a servidores será paga até dezembro, diz Rollemberg


Deixe um comentário

Rolar para cima